Arquitetura TI


Ao fazer um levantamento sobre certificações disponíveis no mercado para atestar os conhecimentos teóricos de profissionais de teste e garantia da qualidade de software, descobri que existem mais de 20 certificações de pelo menos sete instituições certificadoras no mundo! Isso sem falar nas certificações em ferramentas e produtos específicos para teste de software (IBM, Borland etc.).

Cada instituição costuma dividir seu caminho de certificações em níveis, que podem estar entre os quatro seguintes: Fundamental, Profissional ou Avançado, Especialista, Gerencial.

Cada instituição certificadora propõe um corpo de conhecimento (body of knowledge – BOK) em teste de software, com a ementa de referência (syllabus) de cada certificação e, em geral, provê também um glossário sistematizado de termos.

Obviamente, como estão todos abordando a mesma disciplina de teste de software, existem muitas similaridades, mas há bastante variação de tópicos e abordagens.

As entidades certificadoras mais populares no Brasil parecem ser a International Software Testing Qualifications Board (ISTQB) de origem européia, através de seu braço nacional Brazilian Software Testing Qualifications Board (BSTQB); a Associação Latino Americana de Teste de Software (ALATS); e o Quality Assurance Global Institute (QAI), de origem americana.

O quadro resumo das certificações e detalhamento das informações está na seção Teste e Garantia da Qualidade de Software da página Hyperlink: Qualidade do Produto, Métricas e Teste de Software.

Mas são tantas siglas de instituições e certificações que você pode se confundir facilmente com essa sopa de letrinhas. Nesse caso, a variedade e diversidade mais complica do que ajuda. Seria muito bom se surgisse um esforço internacional de unificação ou consolidação destas ementas de referência…

Capa do livro Cloud Computing: Principles anda Paradigms

O informativo Computação Brasil da Sociedade Brasileira de Computação (SBC) nº 16, de julho-setembro 2011, recomendou o livro Cloud Computing: Principles anda Paradigms, ainda sem tradução para o português, como uma boa bibliografia para apresentar o estado da arte da tecnologia de computação em nuvem e suas aplicações.

Ficha técnica:

Título: Cloud Computing: Principles anda Paradigms
Autores: Rajkumar Buyya; James Broberg; Andrzej M. Goscinski
Publisher (Editora): Wiley
ISBN: 978-0-470-88799-8
Capa dura, 664 páginas, publicado em março de 2011, EUA.

Informações do livro em Google Books.

Coleta atualizada de análsies de mercado de produtos de TI por institutos de pesquisa, desde a postagem de meu artigo do ano passado.

Infraestrutura de Aplicações

Desde 2010, o mercado de servidores de aplicação corporativos está estável, com os líderes Oracle, IBM, Microsoft e Red Hat (JBoss). Nessa atualização em 2011, a Red Hat encosta cada vez mais nos outros três líderes. O quadrante mágico também foi “enxugado” da profusão de concorrentes de nicho e visionários que haviam em 2010.

Quadrante Mágico Gartner - Servidores de Aplicação Corporativos, 2011

Quadrante Mágico Gartner - Servidores de Aplicação Corporativos, 2011

Fonte: Magic Quadrant for Enterprise Application Servers, setembro 2011, Gartner, reproduzido por Oracle.

Quadrante Mágico Gartner - Governança SOA, 2011

Quadrante Mágico Gartner - Governança SOA, 2011

Fonte: Magic Quadrant for SOA Governance, outubro 2011, Gartner, reproduzido por Oracle.

ESB Forrester Wave Q2 2011

Mercado de Enterprise Service Bus, 2º trimestre de 2011, Forrester Wave, Forrester Research.

Fonte: The Forrester Wave: Enterprise Service Bus, Q2 2011, por Ken Vollmer para profissionais de desenvolvimento e distribuição de aplicações, 25 de abril de 2011, reproduzido por Oracle.

ESB Reference Architecture Model

Enterprise Service Bus reference architecture model, Forrester Research, 2011.

Quadrante Mágico Gartner - Application Performance Monitoring, 2011

Quadrante Mágico Gartner - Application Performance Monitoring, 2011

Fonte: Magic Quadrant for Application Performance Monitoring, setembro 2011, Gartner, reproduzido por Quest Software, por CA, por Opnet.

Gerenciamento de Conteúdo

O cenário não mudou muito desde as análises dos institutos Forrester e Gartner no quarto trimestre de 2009 e do Gartner em novembro de 2010. Comparando os resultados dos dois institutos agora no final de 2011, vemos que ambos concordam na indicação de cinco líderes de mercado EMC, Oracle, IBM, OpenText e Microsoft. O excelente posicionamento de IBM e Oracle é similar nos dois gráficos; a diferença fica por conta do Forrester colocar OpenText e EMC em uma situação mais proeminente, e Microsoft no limiar inferior da liderança.

Forrester Wave - ECM, 4º trimestre 2011

Forrester Wave - ECM, 4º trimestre 2011

Fonte: The Forrester Wave – Enterprise Content Management, Q4 2011, novembro 2011, Forrester, reproduzido por Oracle.

O relatório Forrester Wave 2011 Q4 traz uma interessante figura que sintetiza os tipos de conteúdo e tecnologias relacionadas em gerenciamento de conteúdo corporativo (ECM):

Forrester Wave ECM 2011 Q4: Tipos de conteúdo e tecnologias

Forrester Wave ECM 2011 Q4: Tipos de conteúdo e tecnologias

O relatório completo também traz três gráficos de ondas adicionais segmentados por tipo de conteúdo: Fundamental, Negócios e Transacional.

Quadrante Mágico Gartner - ECM, 2011

Quadrante Mágico Gartner - ECM, 2011

Fonte: Magic Quadrant for Enterprise Content Management, outubro 2011, Gartner, reproduzido por Oracle.

O segmento específico de gerenciamento de conteúdo web mantém-se estável se comparado com as análises do Gartner em agosto de 2009 e em agosto de 2010. Oracle, OpenText, Autonomy, SDL e Sitecore se mantêm na liderança. Agora em novembro de 2011, surge a Adobe entre os líderes. IBM e Microsoft continuam fortes desafiantes nesse segmento.

Quadrante Mágico Gartner - Web CMS, 2011

Quadrante Mágico Gartner - Web CMS, 2011

Fonte: Magic Quadrant for Web Content Management, novembro 2011, Gartner, reproduzido por Oracle.

Quadrante Mágico Gartner - Portais Horizontais, 2011

Quadrante Mágico Gartner - Portais Horizontais, 2011

Fonte: Magic Quadrant for Horizontal Portals, outubro 2011, Gartner, reproduzido por Oracle.

Análise e Inteligência de Negócios, Armazém e Integração de Dados

O quadrante a seguir foca o segmento de ferramentas analíticas de negócios (business analytics) denominado Gestão do Desempenho Corporativo – Enterprise Performance Management (EPM) ou Corporate Performance Management (CPM).

Magic Quadrant for Corporate Performance Management Suites, March 2012

Quadrante Mágico Gartner – Suítes de Gestão de Desempenho Corporativo, 2012

Fonte: Magic Quadrant for Corporate Performance Management Suites, 19 de março 2012, Gartner, reproduzidor por Oracle.

Quadrante Mágico Gartner - Business Intelligence Platforms, 2012

Quadrante Mágico Gartner - Business Intelligence, 2012

Fonte: Magic Quadrant for Business Intelligence Platforms, fevereiro 2012, Gartner, reproduzido por Microstrategy, por Oracle, por Microsoft, por LogiXML, por Tableau.

Quadrante Mágico Gartner - Ferramentas de Qualidade de Dados, 2011

Quadrante Mágico Gartner - Qualidade de Dados, 2011

Fonte: Magic Quadrant for Data Quality Tools, julho 2011, Gartner, reproduzido por SAP [PDF], por Autonomic Resources.

Quadrante Mágico Gartner - Integração de Dados, 2011

Quadrante Mágico Gartner - Integração de Dados, 2011

Fonte: Magic Quadrant for Data Integration Tools, outubro 2011, Gartner, reproduzido por Oracle.

Quadrante Mágico Gartner - SGBD Armazém de Dados, 2012

Quadrante Mágico Gartner - SGBD Armazém de Dados, 2012

Fonte: Magic Quadrant for Data Warehouse Database Management Systems, fevereiro 2012, Gartner, reproduzido por Oracle.

Para atualizar as referências sobre a Série de normas internacionais ISO/IEC 25000, Systems and software [product] Quality Requirements and Evaluation (SQuaRE), no grupo sobre Engenharia de Software e Sistemas, revisei tão amplamente a página que ficou melhor dividir em uma página à parte da de Engenharia de Software:

Produto de Software – Qualidade, Métricas e Teste

Também atualizei o texto e referências do artigo Modelo de Qualidade de Software de McCall, com mais informação sobre a Série ISO/IEC 25000.

O instituto Gartner atualizou recentemente seu relatório “MarketScope for Ajax Technologies and RIA Platforms”. Aproveito para apresentar o resumo dessas tendências e alguns diagramas explicativos e estatísticas sobre Ajax e RIA.

Introdução

A técnica de interação e troca de dados assíncrona entre o cliente e o servidor web, identificada pelo acrônimo Ajax — Asynchronous Javascript And XML –, termo introduzido pela Adaptive Path em 2005, se populariza cada vez mais nas aplicações web e tem contribuído significativamente para melhorar a interatividade e experiência do usuário, oferecendo respostas imediatas à interação do usuário.

Vão se multiplicando as alternativas de bibliotecas e frameworks para desenvolvimento de aplicações web com suporte a Ajax, visando tornar o uso da técnica mais fácil, organizado e produtivo na construção de aplicações, de forma cada vez mais transparente, integrada e sistematizada.

Também têm se popularizado o uso de plataformas tecnológicas para web visando RIA — Rich Internet Applications –, termo introduzido pela Macromedia (Adobe) em 2002, que significa uma interface com usuário web mais rica — em componentes e comportamentos — e responsiva (resposta imediata, sensível ao contexto), similar a aplicações desktop.

As plataformas RIA podem ter como base um runtime específico, incorporado ao navegador web cliente através de plug-ins, ou se beneficiar do avanço da sofisticação das técnicas e componentes nativos baseados em Ajax.

O diagrama de blocos a seguir correlaciona esquematicamente RIA, Ajax e DHTML.


Créditos: Márcio d’Ávila, 2008-2011.

RIA

Enquanto as aplicações gráficas Cliente/Servidor trouxeram riqueza à experiência de usuário que não havia no ambiente mainframe, plataformas RIA fazem o mesmo em relação às aplicações web primitivas.


Créditos: Uday M. Shankar, Adobe Flex – an introduction, mar/2008 (em Slideshare).

Segundo estatísticas do site Stat Owl, levando em consideração os diversos sistemas operacionais e navegadores web existentes, em setembro de 2008 o suporte runtime instalado para Adobe Flash já era 97,48% (verdadeiro padrão de facto), Java 81,37% e Microsoft Silverlight apenas 17,64%. Em abril de 2011, estas mesmas plataformas evoluiram para percentuais de penetração 95,65%, 77,31% e 63,92% respectivamente.

Percebe-se, portanto, uma notável expansão do suporte à tecnologia RIA da Microsoft no período medido, enquanto o pequeno decréscimo de Flash pode ser explicado pela ausência de suporte ainda existente em alguns ambientes operacionais de dispositivos móveis que vem se popularizando, como Apple iOS (iPhone e iPad).


Fonte: Stat Owl, Rich Internet Application Market Share – RIA Market Penetration and Global Usage comparing Adobe Flash, Microsoft SilverLight and Java, set/2008 a abr/2011.

2009

Em 2009, o mercado ainda estava incipiente e muitos produtos foram considerados pelo Gartner em tecnologias Ajax e plataformas RIA, dez deles classificados com tendência positiva ou muito positiva.

Forte
Negativo
Cuidado Promissor Positivo Forte
Positivo
Adobe Plataforma Flash RIA ($/L)
Backbase Ajax framework Ajax ($)
DevExpress para .NET RIA ($)
Dojo Ajax toolkit Ajax (L)
Ext JS JavaScript, Ext GWT Ajax ($/L)
Google GWT Java, Closure Ajax (L)
IBM Ajax, Lotus Expeditor Ajax/RIA ($/L)
ICEsoft ICEfaces JSF Ajax (L/$)
Infragistics para .NET Ajax ($)
Isomorphic Soft SmartCli, GWT Ajax/RIA (L/$)
JackBe Ajax framework Ajax ($)
jQuery JavaScript Ajax Ajax (L)
Magic Software uniPaaS RIA ($)
MB Tech Bindows Ajax ($)
Microsoft Silverlight, WPF RIA ($)
Nexaweb E.Web Suite Ajax/RIA ($)
Oracle ASF Faces JSF Ajax ($)
Prototype/
script.aculo.us
JavaScript Ajax (L)
Sun Microsystems JavaFX RIA (L/$)
Telerik para .NET Ajax ($)
Tibco Software GI Ajax (L)
Yahoo YUI toolkit Ajax (L)

Fonte: MarketScope for Ajax Technologies and RIA Platforms, Gartner, por Ray Valdes e outros, 2009-12-31, reproduzido por Adobe (PDF).

2011

Atualizando a pesquisa em 2011, o mercado ainda se mostra em evolução, com oito produtos apontados como tendência positiva ou muito positiva.

Comparando com 2009, Adobe Flash e Microsoft Silverlight tiveram sua tendência refreada (Positivo), enquanto a versátil biblioteca livre JavaScript jQuery obteve maior evidêcia (Muito Positivo).

Saíram da lista Magic Software uniPaaS e MB Tech Bindows; Ext JS se tornou Sencha, enquanto Sun foi incorporada à Oracle; e entram agora Canoo Engineering RIA Suite (UltraLightClient framework baseado em Java EE) e Vaadin (framework RIA Java baseado em GWT widgets e extensa coleção de componentes UI).

Forte
Negativo
Cuidado Promissor Positivo Forte
Positivo
Adobe ⇓ Plataforma Flash RIA ($/L)
Backbase ⇓ Portal Ajax ($)
Canoo Engineering UltraLightClient RIA ($)
DevExpress para .NET RIA ($)
Dojo Ajax toolkit Ajax (L)
Google GWT Java, Closure Ajax (L)
IBM Ajax, Lotus Expeditor Ajax/RIA ($/L)
ICEsoft ICEfaces JSF Ajax (L/$)
Infragistics para .NET Ajax ($)
Isomorphic Soft SmartClient, GWT Ajax/RIA (L/$)
jQuery jQuery JS lib Ajax (L)
Microsoft ⇓ Silverlight, WPF RIA ($)
Oracle ASF Faces JSF, JavaFX Ajax/RIA (L/$)
Prototype/
script.aculo.us
JavaScript Ajax (L)
Sencha Ext JS, Ext GWT Ajax ($/L)
Telerik ASP.NET Ajax Ajax ($)
Tibco Software General Interface Ajax (L)
Vaadin Vaadin RIA RIA (L)
Yahoo YUI Library Ajax (L)

Fonte: MarketScope for Ajax Technologies and RIA Platforms, Gartner, por Ray Valdes e outros, 2011-03-31, reproduzido por Microsoft.

Conclusão

Tecnologias RIA e Ajax têm se tornado cada vez mais difundidas e maduras.

Podemos inferir, pela evolução do Gartner MarketScope, que plataformas RIA com componentes ricos nativos (Ajax e DHTML) — boa parte delas baseadas em frameworks livres e Java server/EE) — tem ganhado força, em detrimento daquelas baseadas em runtime próprio.

É provável que o emergente padrão HTML 5, quando se estabelecer, reforce ainda mais esse movimento.

Para saber mais:

O Real Story Group — anteriormente CMS Watch — publica desde 2001 relatórios e análises dos fornecedores de produtos no mercado de gerenciamento de conteúdo, do simples CMS até as abrangentes soluções de ECM, incluindo os segmentos de colaboração e software social, gestão de recursos digitais (DAM), gestão de documentos e registros (gestão arquivística), portais e integração de conteúdo, pesquisa e acesso a informação, e, claro, conteúdo para web.

É de autoria do Real Story o interessante Content Technology Vendor Map, um diagrama inspirado em mapa de metrô que mostra os diversos segmentos de mercado como “caminhos” ou “linhas” de cores distintas no mapa, e as junções representam os fornecedores que atuam nos diversos segmentos que ali se cortam.

2011 Content Technology Vendor Map - Real Story Group

Há tempos o Real Story também publica informações e notícias públicas resumidas em seu blog.

E descobri agora um novo tipo de análise publicada por este grupo, a análise Cross-Check, que inclui um diagrama de dois eixos para representação de posicionamento de fornecedores de mercado.

É importante notar que a filosofia do diagrama da análise Cross-Check difere dos gráficos de institutos de análise de mercado, como Quadrante Mágico do Gartner e Ondas do Forrester, onde um fornecedor é tanto melhor quanto mais se aproxima do extremo superior direito do gráfico.


Fonte: Web Content Management Marketplace Cross-Check, por Tony Byrne, Real Story Group, 2010-09-14 – Platform-oriented WCM Vendors.

As seguintes análises Cross-Check já foram publicadas pelo Real Story Group:

Em dezembro de 2010, Real Story Group redesenhou sua análise Cross-Check, destacando que o extremo superior direito do gráfico, onde há alta velocidade de mudanças tanto do fornecedor quanto do produto, pode significar alto Risco potencial. Para entender melhor a metodologia, é interessante ler o artigo no blog por Jarrod Gingras, 2010-12-21.

A análise de Gerenciamento de Documentos e Registros feita em 2011 já está nesse novo modelo:


Fonte: 2011 Document and Records Management Market Analysis, por Alan Pelz-Sharpe, Real Story Group, 2011-01-05.

Continuando a linha de resumo de análises de mercado já feita como no artigo Relatórios de mercado TI atualizados (1º/06/2010), coleto aqui análises novas e atualizadas, realizadas por institutos de pesquisa como Gartner, Forrester etc. e disponibilizadas por fornecedores.

Suítes de Qualidade de Software

Em janeiro de 2011, o Gartner publicou o Quadrante Mágico para Suítes de Qualidade de Software Integradas.

Fonte: Magic Quadrant for Integrated Software Quality Suites, 31 de janeiro de 2011, por Thomas E. Murphy, Gartner, RAS Core Research Note G00208975, redistribuído por HP (PDF), por Oracle, por Microfocus, por Microsoft.

Em 2009, o mercado era mapeado pelo Gartner assim:

Fonte: Magic Quadrant for Integrated Software Quality Suites, 31 de julho de 2009, por Thomas E. Murphy, Gartner, RAS Core Research Note G00169077, redistribuído por HP (PDF), por IBM (PDF, FTP).

Infraestrutura e Integração de Aplicações

Para projetos de integração de aplicações:

Fonte: Magic Quadrant for Application Infrastructure for Systematic Application Integration Projects, 18 de outubro de 2010, por Jess Thompson, Benoit J. Lheureux, Paolo Malinverno, Massimo Pezzini, Daniel Sholler, Yefim V. Natis e Kimihiko Iijima, Gartner, RAS Core Research Note G00205883, redistribuído por Oracle.

Para projetos de aplicação estilo SOA:

Fonte: Magic Quadrant for Application Infrastructure for Systematic SOA-Style Application Projects, 21 de outubro de 2010, por Yefim V. Natis, Massimo Pezzini, Jess Thompson, Kimihiko Iijima, Daniel Sholler, Eric Knipp, Ray Valdes, Benoit J. Lheureux, Paolo Malinverno e Mark Driver, Gartner, RAS Core Research Note G00206341, redistribuído por Oracle.

Fonte: The Forrester Wave: Comprehensive Integration Solutions, Q4 2010, 9 de novembro de 2010, por Ken Vollmer, Forrester, redistribuído por Oracle (PDF).

Gerenciamento de Conteúdo

Atualizando o Mercado de ECM 2009, temos os relatórios recentes para ECM e WCM/CMS a seguir.

Gerenciamento de Conteúdo Corporativo (ECM):

Fonte: Magic Quadrant for Enterprise Content Management, 16 de novembro de 2010, por Toby Bell, Karen M. Shegda, Mark R. Gilbert e Kenneth Chin, Gartner, RAS Core Research Note G00206900, redistribuído por Oracle, por Microsoft.

Veja também: MarketScope for Enterprise Records Management, 23 de agosto de 2010, por Kenneth Chin, Gartner, RAS Core Research Note G00201565. ERM tem equivalência ao que denominamos Gestão Arquivística Documental (GAD) no Brasil.

Gerenciamento de Conteúdo Web (WCM/CMS):

Fonte: Magic Quadrant for Web Content Management, 19 de agosto de 2010, por Mick MacComascaigh, Toby Bell, Jim Murphy, Gartner, RAS Core Research Note G00201300, redistribuído por Oracle.

E acrescento agora o relatório relativo a Portais Horizontais:

Fonte: Magic Quadrant for Horizontal Portals, 3 de setembro de 2010, por Jim Murphy, Gene Phifer, Ray Valdes e Eric Knipp, Gartner, RAS Core Research Note G00206214, redistribuído por Oracle.

Inteligência de Negócios (BI)

Fonte: Magic Quadrant for Business Intelligence Platforms, 27 de janeiro de 2011, por Rita L. Sallam, James Richardson, John Hagerty e Bill Hostmann, Gartner, RAS Core Research Note G00210036, redistribuído por Microsoft, por SAS.

Fonte: The Forrester Wave: Enterprise Business Intelligence Platforms, Q4 2010, 20 de outubro de 2010, por Boris Evelson, Forrester, reproduzido por SAS (PDF).

Armazém de Dados (DW) e Integração de Dados (DI)

Fonte: The Forrester Wave: Enterprise Data Warehousing Platforms, Q1 2011, 2011-02-10 (2011-04-20), por James G. Kobielus, com Boris Evelson, Connie Moore e Charles Coit, para Profissionais de Processos de Negócio, redistribuído por Microsoft (PDF, atualizado em 2011-04-20), por Teradata (PDF).

Fonte: Magic Quadrant for Data Integration Tools, 19 de novembro de 2010, por Ted Friedman, Mark A. Beyer e Eric Thoo, Gartner, RAS Core Research Note G00207435, redistribuído por Oracle, por Teradata.

Fiz uma importante atualização do meu artigo Tutorial Tomcat – Instalação e Configuração Básica, um dos mais longevos e populares do meu site, introduzindo o atributo de contexto privilegiado para que a InvokerServlet possa ser utilizada no Tomcat 6.

Desde a revisão 25, eu comecei a atualizar o texto para cobrir o Tomcat 6. Mas só agora, na revisão 35, pude testar todos os aspectos nessa versão do Tomcat.

Descobri então que uma nova característica de segurança introduzida no Tomcat 6 necessitou alterações importantes na configuração do contexto, relativas ao uso da InvokerServlet.

InvokerServlet é uma servlet do Tomcat, definida no pacote org.apache.catalina.servlets, que serve para mapear e invocar genericamente qualquer servlet com base no nome da respectiva classe.

Utilizando Invoker Servlet, um mapeamento genérico como /servlet/* no web.xml permite que se possa executar através de um URL do tipo /servlet/NomeClasse uma servlet implementada pela classe NomeClasse.class.

Até o Tomcat 5.5, InvokerServlet podia ser declarada e mapeada no web.xml de qualquer aplicação web e era automaticamente localizada e ativada pelo classloader desta aplicação.

A partir do Tomcat 6, InvokerServlet passou a ser restrita ao classloader do Server (mecanismo do servidor Tomcat). Para carregar e utilizar esta servlet, um contexto de aplicação web deve ser definido como privilegiado, setando o atributo privileged="true" no elemento Context que o define.

Se esta configuração não for feita no Tomcat 6, ocorre o seguinte erro durante a tentativa de executar o mapeamento de InvokerServlet definido no web.xml do contexto da aplicação web, visível nos arquivos de log do Tomcat (em CATALINA_HOME/logs):

java.lang.SecurityException: Servlet of class org.apache.catalina.servlets.InvokerServlet is privileged and cannot be loaded by this web application

Cabe ressaltar que o mapeamento genérico de servlets baseado no nome da classe, como permite InvokerServlet, é considerado má prática. Em produção, o ideal é que se mapeie individualmente cada servlet utilizada em um contexto, no arquivo web.xml da aplicação web.

Contudo, o mapeamento genérico do InvokerServlet é um recurso muito útil em desenvolvimento para se testar rapidamente qualquer classe servlet implementada, sem a necessidade prévia de configurar um mapeamento específico para esta.

Na revisão 35, o texto todo do tutorial foi repassado durante sua validação completa para o Tomcat 6, o que acabou trazendo vários ajustes e melhorias no texto. Confira!

Para saber mais:

Reestruturei bastante a página sobre Engenharia de Software em meu site de meta-referências, hoje.

Organizei uma série de tópicos em uma seção própria: Produto de Software – Qualidade, Métricas e Teste.

Nesta seção estão os seguintes temas:

  • ISO/IEC 25000 e 9126 – Qualidade do Produto de Software
  • IEEE Std 1061 – Padrão IEEE para Metodologia de Métricas de Qualidade de Software
  • Métricas de Software – Complexidade e Qualidade
  • Medição de Software – Tamanho Funcional
  • Teste e Qualidade de Software

Os outros temas gerais sobre Engenharia de Software, na mesma página (por enquanto, pois já penso em dividi-la devido ao grande tamanho e extensão), são:

  • Engenharia de Software
  • ISO/IEC 12207 – Processos do Ciclo de Vida de Software
  • Análise e Modelagem Orientada a Objetos
  • UML – Unified Modeling Language e SysML – OMG Systems Modeling Language
  • Engenharia Dirigida a Modelo (MDE) e Desenho Dirigido a Domínio (DDD)
  • Metodologias baseadas no Processo Unificado (UP)
  • Metodologias baseadas no Desenvolvimento Ágil

É um vasto universo de temas em uma única disciplina. E nem sei se fui suficientemente abrangente.

Outra parte igualmente vasta e que vem se estendendo a passos largos em meu site é a de Arquitetura de Software, sendo que estão em páginas à parte também os temas de Integração e Arquitetura Corporativa, e de Arquitetura da Informação, Interação, Usabilidade e Acessibilidade.

Aproveitando o assunto, gostaria de recomendar os artigos Tales from the IT Crypts – O analista Frankenstein, 2010-08-12, e O Desenvolvedor “Cozinheiro Italiano”, 2010-2009-05-25, do meu amigo e grande arquiteto e engenheiro de software Marco Aurélio Mendes.

Capa do livro
Seis consultores e instrutores Java da Caelum estão escrevendo o livro Arquitetura e Design de Software: Uma visão sobre a plataforma Java, fruto de mais de dois anos de experiência ministrando o treinamento de Arquitetura e Design Java, consultorias e projetos realizados pela empresa e discussões no GUJ.com.br.

No site do livro está disponível a estrutura de conteúdo proposta, com diversos trechos rascunho para baixar em PDF.

O livro tem prefácio de Phillip Calçado. O lançamento, pela editora Campus Elsevier, foi inicialmente previsto pelos autores para novembro de 2009 e depois primeiro semestre 2010, mas pelo atraso creio que eles devem estar sofrendo na pele a Regra de Pareto: os 20% finais do livro tomando 80% do tempo… vamos aguardar.

Próxima Página »