Depois do WGA – Windows Genuine Advantage, o esforço da Microsoft para reduzir a pirataria do Windows, chega agora ao Brasil o OGA, Office Genuine Advantage para combater a pirataria do Microsoft Office.

Como sempre, sutilmente introduzido através das Atualizações Automáticas do Windows (Windows Update), o Notificador do Programa de Vantagens do Office Original da Microsoft é um utilitário que, se o usuário aceita instalar, não oferece recurso para ser desinstalado ou desativado posteriormente.

Se detecta uma cópia não original de um programa do Office (XP, 2003 ou 2007), o Notificador OGA passa a gerar uma série insistente de notificações com mensagens de programa não original:

  • Na inicialização de uma cópia do Office não original, exibe uma janela de mensagem e mantém um ícone na área de notificação do Windows;
  • Adiciona uma barra de ferramentas aos programas do Office não original, que exibe mensagem de notificação;
  • Para programas do Office 2007 pirata, adiciona também uma faixa (ribbon) com mensagem de notificação.

Imagem: Reprodução do Windows Update para Notificador OGA.

Veja transcrição dos termos de uso do Notificador OGA [TXT]. Você aceita?

Expansão

Conforme anúncio do Gerente Geral Microsoft para a Iniciativa de Software Genuíno (o programa anti-pirataria da Microsoft) em final de agosto, as Notificações OGA foram primeiro veiculadas como a atualização KB949810 para usuários do Office em quatro países — Itália, Espanha, Turquia e Chile — como um pequeno programa piloto, e não trouxe muitas reclamações, exceto quando o serviço de administração corporativa do Windows WSUS (Windows Server Update Services) acidentalmente publicou o notificador como atualização crítica durante 24 horas.

Assim, a Microsoft está gradativamente expandindo o OGA para mais países. A validação e notificações de Office Genuíno está sendo agora expandida para mais 13 países, que incluem Estados Unidos, Reino Unido, Peru, Porto Rico, Brasil, Austrália, Grécia, Irlanda, Países Baixos, Finlândia, Suíça, Índia, Taiwan e outros, chegando a um total de 41 países ainda este mês.

Com a expansão do programa, já há relatos de casos de incômodos ou problemas, principalmente em redes corporativas, de usuários legítimos de cópias originais do Office. Por isso, alguns especialistas recomendam que a instalação não seja feita e/ou que administradores de redes corporativas desabilitem a distribuição e instalação do OGA através do WSUS.

OpenOffice / BrOffice.org

Quem tiver uma cópia ilegítima (não original, pirata) do Microsoft Office, e quiser evitar todo esse incômodo, não perca mais tempo e faça como eu já fiz há muito tempo: adote o BrOffice.org (OpenOffice em português do Brasil) 3.1.1.

Gratuito, livre (software de código aberto e de livre distribuição) e cada vez mais completo e bem acabado, o OpenOffice/BrOffice.org inclui editores de documentos texto, planilhas, apresentações e bases de dados, e ainda um bom programa editor de desenhos e ilustrações (estilo CorelDraw) e um editor de fórmulas matemáticas e científicas.

O OpenOffice é totalmente compatível com os formatos de documento do Microsoft Office (Word, Excel, PowerPoint), inclusive os novos formatos do Office 2007. Mas oferece seu próprio formato nativo de documentos OpenDocument (ODF) que é completo e compacto, além de ser um padrão conciso e realmente aberto, norma internacional ISO. O OpenOffice ainda exporta nativamente documentos para o formato PDF.

O editor de textos (Writer) e de planilhas (Calc) do BrOffice são muito completos e robustos, oferecendo todos os recursos dos simples aos mais avançados encontrados no Word e no Excel.

O editor de apresentações (Impress) ainda não é tão inteligente como as facilidades de formatação automática do PowerPoint, mas atende bem e, espero, tende a melhorar ainda mais no futuro. Quanto ao banco de dados (Base), confesso que ainda não utilizo e por isso não tenho como opinar.

O único recurso que, creio, ainda pode melhorar compatibilidade é a linguagem de macros. O OpenOffice/BrOffice.org possui o recurso de macros, que podem ser programadas em BROffice Basic, Python, JavaScript ou BeanShell, mas a compatibilidade com o VBA (Visual Basic for Applications) do Microsoft Office ainda não é plena, principalmente porque esta última está intimamente integrada à própria API do Windows, o que obviamente traz dificuldades para programas independentes e multiplataforma como o OpenOffice.

Para quem não abre mão do Microsoft Office de jeito nenhum, saiba que você consegue comprar o Office Home and Student 2007 (Word, Excel, PowerPoint) com licença para instalar em três computadores por aproximadamente 150 reais. Nos Estados Unidos essa edição custa perto de 88 dólares.

Convenhamos, 50 reais por cópia doméstica instalada não serve mais de desculpa para pirataria, para aqueles radicais que ainda se remetem aos tempos em que ter um Microsoft Office original em casa custava quase mil reais. Já nas empresas, onde a licença Home Student não serve, o caminho econômico viável é o BrOffice.org mesmo.

Para saber mais