Continuo achando incrível a expansão do genialmente simples Twitter, que virou mania mundial — e como tudo que envolve internet, se espalha rapidamente entre os internautas no Brasil (inclusive eu).

O twitter combina características de rede social (site de relacionamentos) com “microblog” — este último combinação das características de blog, ao permitir a postagem de conteúdo pelos membros, com o de SMS, uma vez que as postagens devem ser curtas, não podendo exceder o limite de 140 caracteres cada.

A ideia parece relativamente simples, mas junta diversos conceitos e particularidades em uma combinação que tem se mostrado contagiante. Aos poucos, as pessoas e instituições vão descobrindo novas formas e objetivos de uso deste interessante serviço.

Microblog

A primeira característica essencial do Twitter é ser um microblog. Um usuário basicamente se inscreve no Twitter para:

  • Postar mensagens curtas, de até 140 caracteres cada.
  • Acompanhar as postagens de outros usuários.

O Twitter solicita cada postagem com a seguinte pergunta: “O que está acontecendo?” “O que você está fazendo?” Isto indica que a ideia inicial do Twitter propõe que as pessoas postem “mensagens instantâneas” sobre o que fazem, observam, descobrem ou pensam ao longo do dia. Mas cada um escreve o que bem entender em cada postagem.

Tem gente que realmente usa o Twitter como um diário instantâneo. Outros — indivíduos, empresas e meios de comunicação — preferem postar notícias e informações. Empresas podem usar o Twitter como canal de divulgação de ofertas, dicas e promoções, bem como relacionamento com seus clientes e fornecedores.

E, através dos simplórios recursos do Twitter em referenciar um usuário (através do símbolo arroba: @usuario) em uma postagem, e o de permitir enviar uma mensagem direta e privada a só um usuário, muita gente também utiliza o Twitter para trocar recados entre si, uma espécie de bate-papo não necessariamente em tempo real (já que o usuário referenciado ou destino não precisa estar utilizando o Twitter no momento, e pode ver a mensagem depois quando se conectar).

Rede social

A formação da rede social no Twitter difere um pouco de serviços existentes como Orkut, Facebook, MySpace, LinkedIn e outros. Nestes, tipicamente cada usuário se vincula a outros mutuamente, criando seu grupo de “contatos” ou “amigos”. A característica essencial da criação do vínculo é que ele é mútuo entre cada dois usuários, isto é, um usuário solicita adicionar o vínculo a outro usuário, este outro usuário confirma/aprova, e a partir daí ambos ficam vinculados entre si.

Já no Twitter, cada vínculo é unidirecional/unilateral. Um usuário decide “seguir” outro qualquer, e a partir daí passa a acompanhar as postagens deste. Mas não há reciprocidade automática, isto é, um usuário pode seguir outro, independente desse último seguir o primeiro ou não. Cada usuário tem assim dois grupos de vínculos: o conjunto de usuários que ele escolheu seguir (following), e a lista dos usuários que o seguem (followers).

Entretanto, existem dois mecanismos reguladores. Primeiro, um usuário pode, uma vez identificado que tem um seguidor indesejado (por padrão, o Twitter notifica via e-mail um usuário quando alguém escolheu segui-lo), bloqueá-lo, desfazendo o vínculo criado pelo seguidor e impedindo que este estabeleça novamente o vínculo.

Segundo, o usuário pode ativar a opção de proteger suas postagens, de forma que: (a) para um usuário segui-lo, é preciso sua confirmação de aceite, embora o vínculo continue unidirecional; (b) suas postagens só podem ser lidas pelos seguidores aprovados.

O Twitter oferece também um novo recurso de listas. Cada usuário pode criar listas — públicas ou privadas — para organizar usuários que segue, de acordo com qualquer tema, rótulo ou característica de agrupamento que bem entender. Pode por exemplo criar uma lista de familiares, outra de colegas de trabalho, mais uma de colegas de escola, de especialistas em determinado assunto, de veículos de comunicação,… etc. Cada lista é um agrupamento ou (sub)conjunto arbitrário de usuários que você faz, permitindo exibir as postagens apenas daquele grupo de usuários quando selecionada. Um mesmo usuário pode constar em múltiplas listas.

Riscos de Segurança e Privacidade

Um risco de segurança enorme é que muitas pessoas embolam e confundem todos esses conceitos e recursos. Com isso, muitas vezes acabam postando conversas com assuntos privados em postagens públicas, e acabam inadvertidamente escancarando sua privacidade para o mundo!

Esse é um risco comum das ideias e serviços novos, pouco explorados e incipientes que vem surgindo na era da Web 2.0, da internet como canal interativo e social. Isso se agrava pelo fato da internet atingir bilhões de usuários de forma global, muitos deles despreparados tanto para lidar com a internet de forma proficiente, consciente e segura, quanto para compreender e utilizar adequadamente os serviços neste meio.

Outro risco também comum das redes sociais é que cada vez mais se tem acesso a conteúdo e informação de forma crua e direta, e de origens desconhecidas ou não confiáveis. É difícil se ter confiabilidade em “quem” realmente é cada usuário e no “o que” se recebe aos montes em milhões de mensagens. Boatos, mentiras e até golpes maliciosos podem ser rapidamente proliferados de forma difusa e semi-anônima.

Para combater um pouco o problema da confiabilidade da identidade dos usuários, o Twitter já realiza nos EUA um serviço de “certificação” de alguns usuários mais notórios, em geral celebridades e pessoas públicas — como o presidente americano Barak Obama e o jornalista brasileiro William Bonner — adicionando um selo de “conta verificada” a estes perfis.

Ferramentas

Por causa da simplicidade quase simplória dos recursos do Twitter, muitos outros serviços vão surgindo para complementar suas funcionalidades. Uma API disponibilizada pelo Twitter permite que esses serviços complementares se integrem e interajam com o Twitter, podendo autenticar um usuário e interagir com sua conta.

Um dos serviços mais comuns é o de encurtamento de URL. Como muitos URLs (endereços ou links) de internet são muito grandes e o Twitter tem o limite de 140 caracteres no texto total da mensagem, muitas vezes não há caracteres suficientes para se incluir um link extenso em uma mensagem, menos ainda se for um link acompanhado de uma frase ou descrição.

Por isso, a prática comum no Twitter é se utilizar um serviço chamado encurtador de URL (URL shortening). Existem diversos serviços gratuitos destes. Uma vez fornecido um endereço de internet, ele gera uma URL no site do encurtador com uma pequena sequência arbitrária de caracteres (em geral 4 a 6 letras e números), que funciona como um atalho que redireciona automaticamente para o endereço original.

O próprio Twitter e outras aplicações que permitem postar mensagens no Twitter podem converter links escritos em uma mensagem para um endereço “encurtado”, utilizando um serviço de URL shortening. Eis alguns serviços encurtadores de URL:

  • TinyURL.com: pode gerar uma sequência arbitrária de caracteres para o atalho, mas também permite que você escolha/defina a sua.
  • migre.me: seu site tem interface também em português.
  • bit.ly
  • LC4.in: menos conhecido, também tem interface em português.
  • Ow.ly
  • goo.gl: Google URL Shortener, atualmente usado nos produtos Google (não disponível para uso aberto).
  • dmoz Open Directory: listagem de serviços de redirecionamento e URL shortening.

Eis uma pequena lista de amostra de outros serviços complementares ao Twitter:

  • Twitpic e TweetPhoto: permitem que se poste e mantenha imagens e fotos, que podem facilmente ser referenciadas em mensagens do Twitter.
  • Twibbon: permite que se crie uma campanha para se promover e divulgar uma causa ou tema qualquer no Twitter. Para isso, cria-se uma “selo”, uma imagem com transparência que pode ser sobreposta — como um rótulo ou bottom (ribbon) — à imagem de cada usuário que adere a tal causa/campanha.
  • TweetGrid: permite criar um painel de termos de pesquisa para ser atualizado em tempo real com postagens referentes do Twitter.
  • Twinester: permite criar grupos ou comunidades baseados no Twitter.
  • Hashtags.org: busca postagens no Twitter por hashtag, com direito a gráfico de evolução de trends no tempo.

E existe uma infinidade de outros serviços e aplicações. Veja por exemplo os seguintes links:

Para saber mais

Algumas referências adicionais de informação sobre Twitter: