Ubuntu 7.10 Gutsy Gibbon

Em início de setembro eu havia substituído meu antigo Ubuntu 6.06 LTS (Long Term Support) pelo Ubuntu 7.04, lançado em abril 2007.

Como o Live CD de boot do 7.04 “Feisty Fawn” não me dera opção de atualizar a versão anterior já instalada, na época eu fiz uma instalação do zero, recriando a partição Linux.

Agora resolvi atualizar para a versão mais recente Ubuntu 7.10 — codinome Gutsy Gibbon — lançada em outubro. Desta vez, optei pelo procedimento de atualização on-line (ver Gutsy Upgrades), que é tão simples quanto um-dois-trêeeeeees, desde que você tenha uma boa conexão Internet banda larga:

  1. Acionar a opção do menu Sistema > Administração > Gerenciador de Atualizações.
  2. Assim que o gerenciador buscar atualizações e exibir a mensagem “Nova versão release 7.10 disponível”, clicar no botão “Atualizar”.
  3. Seguir as instruções do assistente que vai preparar a atualização, baixar e instalar todos os pacotes necessários e, ao final, reiniciar o sistema.

O processo de download e instalação é demorado. Afinal, você estará baixando praticamente um CD via Internet e instalando tudo. Comigo, demorou um pouco mais de duas horas.

Durante toda essa instalação, o assistente apenas me solicitou intervenção para confirmar substituição do arquivo /etc/bash.bashrc. A janela de confirmação tinha opção para mostrar um diff entre o conteúdo atual e o novo proposto do arquivo, o que facilitou bastante (o bom hábito que tenho de adicionar uma linha de comentário com nome, data e breve descrição em toda alteração que faço em um arquivo de script ajudou mais ainda).

Também confirmou, já no fim das instalações, a remoção de alguns poucos pacotes que não eram mais suportados na nova versão. Consenti.

Após a reinicialização do sistema — necessária ao final da atualização — e o login, foi exibido um erro do gerenciador de sessões Gnome (não anotei a mensagem). Apenas fechei a janela de diálogo e segui em frente, mas vi que os componentes da interface gráfica ficaram com uma aparência “grosseira” (sem acabamentos como cantos arredondados, degradê ou profundidade). Também notei que os ícones da área de trabalho não foram exibidos.

Quem já conhece as instalações do Ubuntu/Debian, sabe que a atualização de kernel do Linux não remove o pacote anterior, por medida de segurança, o que deve ser feito manualmente depois. Por isso, abri o Gerenciador de Pacotes Synaptic (menu Sistema > Administração) e removi o pacote do kernel anterior 2.6.20 do Linux, já que o Ubuntu 7.10 instalou o kernel versão 2.6.22.

Em seguida, vi que na área de notificação do Gnome (canto superior direito, perto do relógio) um ícone me recomendava ativar o driver proprietário da minha placa de vídeo Nvidia, para melhor desempenho. Marquei a ativação na janela e o Ubuntu automaticamente acionou o download e instalação do pacote próprio, recomendando ao final Reiniciar o Ubuntu. Comandei novo boot.

Após este segundo boot, não ocorreu mais o erro do Gnome e a interface gráfica voltou ao normal, com a aparência bem acabada novamente e os devidos ícones/arquivos de volta à minha área de trabalho.

Tudo parecia 100%, até que tentei abrir o navegador Firefox. Pelo ícone da interface gráfica, o programa não abria. Então, resolvi executar firefox pela janela de terminal, para ver se o console exibia algum erro. Exibiu:

Segmentation fault. Core dumped.

Bem, agora era só pesquisar no Google para ver se alguém já tinha passado por isso e… mas que Google se eu não tinha Firefox? 😉

Experimentei então o básico. Primeiro, removi e instalei novamente os pacotes do Firefox, embora já estivesse atualizado com a versão 2.0.0.11 mais recente. (Prática comum de informática que chamo de “descer do carro e subir de novo”.) Não funcionou.

Apostei então na configurações pessoais anteriormente existentes. Excluí todo o diretório ~/.mozilla/ e… bingo! O Firefox abriu.

Reinstalei os pacotes ubufox e ubuntu-docs (que por sua vez requer yelp e gnome-user-guide), e a página local de documentação do Ubuntu voltou a ser a home-page do Firefox. Em seguida, reinstalei todas as extensões que uso.

Pronto. Superado o problema com o Firefox, a atualização para o Ubuntu 7.10 Gutsy Gibbon foi bem sucedida. Todo o meu ambiente anterior (incluindo arquivos pessoais e configurações) do 7.04 foi preservado.

Navegando na internet novamente, vi que outros tiveram problemas parecidos com Firefox no Ubuntu, embora não tenha encontrado ninguém que solucionou o problema como fiz, removendo as configurações pessoais do navegador.

De novidade positiva, por enquanto só notei que o novo Ubuntu 7.10 reconheceu meu adaptador Bluetooth, pois vi um novo ícone Gerenciador Bluetooth na área de notificação. Isso faz jus à fama de ótima compatibilidade de hardware do Ubuntu, um dos vários motivos que o torna uma das distribuições Linux mais amigáveis para uso pessoal (seja em desktop ou laptop/notebook).

One Reply to “Ubuntu 7.10 Gutsy Gibbon”

  1. Esta tua dica acabou servindo para o Skype 2.0. Quando eu tentava abrir o Skype somente aparecia uma janela que fechava rapidamente. Tentei chamar pelo terminal e a única mensagem era: Skype Cancelado (core dumped)

    Foi só deletar o diretório oculto do Skype no meu home e pronto, o programa funcionou.

    Valeu!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *