Há 16 anos, o Standish Group estuda projetos de TI. Ao longo desse tempo, a pesquisa CHAOS já estudou mais de 70 mil projetos de TI realizados.

O CHAOS Report é frequentemente citado em artigos e apresentações sobre gerenciamento de projetos de TI. Essa pesquisa classifica o resultado de cada projeto de TI em uma destas três situações:

  • Bem sucedido: O projeto é concluído dentro do prazo e orçamento planejados, com todos os recursos e resultados originalmente especificados.
  • Deficitário: O projeto é concluído e operacionalizado, mas com atraso, acima do custo estimado ou com menos recursos e resultados que o especificado.
  • Falho: O projeto é cancelado antes de ser concluído ou nunca é implementado.

A evolução dos percentuais de cada resultado, nas pesquisas CHAOS de 1994 até 2008, está representada no gráfico a seguir.

Há quem critique os critérios utilizado pelo Standish Group. No artigo The Rise and Fall of the Chaos Report Figures, por J. Laurenz Eveleens e Chris Verhoef, Universidade Vrije de Amsterdam, 2009-09-04, publicado na IEEE Software, vol. 27, num. 1, p 30-36, jan/fev 2010, os autores afirmam que “seus estudos apontam que as definições de sucesso e de desvio de projetos tem quatro problemas principais: são ambíguas, unilaterais, pervertem a prática de estimativa, e resultam em números pouco significativos“.

Contudo, o Standish Group tem repetido as pesquisas de forma consistente a cada dois anos desde 1994. Desta forma, os resultados apresentados no Chaos Report são, no mínimo, um referencial histórico para análises e considerações sobre a evolução do sucesso em projetos.

Um paralelo com o Guia PMBOK e processos estratégicos

Interessante notar que o Instituto de Gerenciamento de Projetos (PMI) lançou a primeira versão oficial do Guia PMBOK em 1996. Este Guia pode ser considerado um marco na formalização e ampla divulgação dos conceitos e das melhores práticas em gerenciamento de projetos, e vem contribuindo para a profissionalização e evolução da atividade de gerenciamento de projetos em todo o mundo.

O Guia PMBOK tem sido atualizado e publicado pelo PMI em ciclos de quatro anos, com novas edições tendo sido lançadas em 2000, 2004 e 2008, inclusive com traduções em português e diversos outros idiomas.

De 1994 para 1996, o sucesso em projetos medido no CHAOS Report teve um considerável salto positivo, de 16% para 27%. Igualmente, a partir de 1996, a taxa de sucessos cresceu pouco, mas até 2002 a taxa de fracassos decaiu consideravelmente, de 40% chegando a 15%.

A disseminação dos conceitos e práticas de planejamento e controle no gerenciamento de projetos, com a participação de organizações profissionais como o próprio PMI (de origem americana), o IPMA (de origem europeia) e outras, neste período, provavelmente contribuiu para o aumento do sucesso e redução do fracasso em projetos.

A oscilação de sucessos e fracassos desde 2002 deve levar em conta as crescentes abrangência, complexidade e criticidade dos projetos de TI, com a tecnologia sendo impelida a atuar imersa e alinhada cada vez mais no cerne dos processos de trabalho e das estratégias institucionais.

Fatores críticos de sucesso

Mesmo que o paralelo apresentado seja interessante e coerente, seria um tanto simplista tentar resumir a poucos pontos os determinantes da evolução no resultado dos projetos.

O próprio Standish Group aponta um conjunto mais consistente de fatores críticos de sucesso para projetos de TI:

  • Envolvimento efetivo e positivo dos usuários.
  • Apoio da alta gestão, ou patrocínio executivo.
  • Objetivos de negócio claros, bem definidos.
  • Maturidade emocional das partes envolvidas (stakeholders), controlando as “Cinco Sinas Mortais” no gerenciamento de projetos: ambição excessiva, arrogância, ignorância, abstinência e fraudulência.
  • Otimização, visando obter o máximo de valor para o negócio com o mínio de riscos.
  • Processos ágeis, com desenvolvimento iterativo.
  • Expertise em gerenciamento de projetos, onde aí entra a importante contribuição do Guia PMBOK e das organizações profissionais de gestão de projetos.
  • Equipe capacitada, consistindo na habilidade de adquirir, gerenciar e controlar os recursos certos no momento certo, lidando com turnover, bem como desenvolver e manter competências.

Para saber mais: