Se você ficar poucos dias em BsAs, principalmente se for sua primeira viagem à capital Portenha, pelos artigos anteriores desta série Explorando Buenos Aires já viu que há atrações suficientes na cidade. Mas se restar um dia livre, o tema deste quinto artigo é uma escapada imperdível ao país vizinho. Colonia del Sacramento, simpática cidadezinha beira-rio turística do Uruguai, está a apenas uma hora de Buenos Aires na outra margem do Rio da Prata. Preços de jan/2016, a maioria em pesos uruguaios (UY), ou em pesos argentinos (AR) quando indicado.

  1. Introdução e Informações essenciais
  2. Região Central, Puerto Madero e San Telmo
  3. Palermo
  4. Recoleta
  5. Escapada: Colonia del Sacramento
  6. Outros passeios e pontos de interesse

Mapa de Buenos Aires a Colonia del Sacramento (em zoom)

Ricardo Freire, em seu blog Viaje na Viagem (out/2009, atualizado em 2016) ilustrou Colonia del Sacramento como a Paraty do Uruguai: “Cidadezinha colonial, à beira d’água, fundada por portugueses, patrimônio da Unesco, povoada por pousadas, restaurantinhos e galerias”. Comparações à parte, a pequena e charmosa Colonia del Sacramento tem atrativos próprios para valer um dia inteiro bate-e-volta saindo de Buenos Aires.

Câmbio Colônia do Sacramento, Uruguai, é capital do departamento de Colônia. Tem origem na antiga cidade de Colônia do Santíssimo Sacramento, fundada em 22 de janeiro de 1680 por Manuel Lobo, então Governador da Capitania Real do Rio de Janeiro, a mando do Império Português no século XVII. A área onde localiza-se a fundação portuguesa hoje faz parte do Centro Histórico, reconhecido pela UNESCO como Patrimônio da Humanidade. Fica 177 km distante de Montevidéu e, pela outra margem do Rio da Prata, a apenas 50 km de Buenos Aires.

Ida e volta de buque

Câmbio Para ir e voltar de Colonia a partir de Buenos Aires, a travessia de 50 km até a outra margem do Rio da Prata pode ser feita em apenas uma hora em buques, grandes e confiáveis embarcações (ferryboat tipo catamarã) rápidas que transportam muitas pessoas (em enormes salões com muitas fileiras de poltronas) e carros.

Três empresas operam a travessia: Buquebus (também disponível site uruguaio), Seacat Colonia e Colonia Express.

Buquebus é a maior e mais tradicional das empresas que atuam na rota. Opera barcos rápidos (1h15) e lentos (3h) entre BsAs e Colonia, transporta também carros e oferece mais horários. Há também buques rápidos direto a Montevidéu (3h).

A Seacat Colonia é o concorrente mais novo. Tem ferrys modernos, compactos e rápidos (1h) e não carrega carros. Segundo o blog de Ricardo Freire, é subsidiária low-cost da Buquebus. De fato, Buquebus e Seacat saem do mesmo terminal Buquebus no extremo norte de Porto Madero (Av. Antártida Argentina 821, quase em frente à Av. Córdoba), e não raro compartilham passageiros em uma mesma embarcação, em horários comuns quando há pouca lotação.

Na época deste artigo, a Colonia Express não era bem recomendada, pelos atrasos e cancelamentos frequentes. Seus barcos não são nem tão grandes quanto os do Buquebus, nem tão modernos quanto os da Seacat. Não arrisquei.

Escolha a passagem pelo site das empresas, com antecedência, para garantir disponibilidade e preços. Compre direto pelo site, ou na agência física da empresa em BsAs. As três empresas oferecem opção “Day Tour” com city tour incluso (à pé ou ônibus), mas recomendo a ida-e-volta simples mesmo dia. Conhecer Colonia por conta própria é fácil e gostoso, como veremos aqui. Para transporte apenas de passageiros, escolha Sin Bodega/Vehículo (sem carro).

Os pontos de venda (loja física) em Buenos Aires das três são perto entre si, todos funcionando seg-sex 09-19hs, sábado 09-13hs:

O terminal Buquebus/Seacat na Av. Antártida Argentina 821 também vende passagens destas duas empresas todos os dias.

Compramos no dia 4/jan/2016 ida-e-volta para 8/1 no Seacat Colonia, por AR$843 por pessoa (classe econômica), ida às 8:00 (chegada a Colonia 9h) e retorno saindo às 20:30 (chegada a BsAs 21:30). Considerando a antecedência para embarque da volta, você terá em torno de dez horas em Colonia, que é suficiente para um passeio completo.

Foto montagem com vistas externas e interna do buque

Dicas importantes:

  • Lembre-se: É uma viagem internacional. Para compra nas lojas e para embarque, é obrigatório levar o passaporte de todos os passageiros, ou a carteira de identidade mais o papel com o carimbo de entrada no país.
  • Chegue no mínimo uma hora antes do horário de embarque no terminal. Pode haver grandes filas de check-in e imigração, além do próprio embarque. Com mochilhas e bolsas de mão para o bate-volta de um dia, não será necessário despachar bagagem.
  • A imigração dos dois países é feita de uma vez no embarque. No mesmo balcão, um funcionário de um país processa a saída e em seguida já passa para o funcionário do outro país dar entrada. Para quem usa a carteira de identidade, o novo carimbo de entrada no país é feito no papel da passagem. Guarde-o ou não sairá do país!
  • No salão de passageiros do buque, há um balcão lanchonete. Em águas internacionais durante o trajeto, abre-se também um balcão de duty free.
  • As poltronas não são marcadas/numeradas. Recomendo um lugar perto da porta de embarque/desembarque em uma fileira próxima às janelas, com a vista do rio. O trajeto é tranquilo, não percebi oscilações que causem qualquer desconforto ou náuseas.
  • Na ida para o terminal em BsAs, a estação final (Leandro N. Alem) da linha B do Subte (metrô) é a mais próxima, distante umas 7 quadras. Na volta à noite, só vimos taxistas parados na porta do terminal que ofereciam corrida mais caro (fora do taxímetro); muito cansados, negociamos valor e tomamos um desses mesmo, a contragosto.

Câmbio

Câmbio Dentro do terminal de desembarque em Colonia você encontra uma agência de câmbio Varlix Servicios Financeiros, praticando taxas de câmbio razoáveis. Vi outras casas de câmbio em meio à cidade, com câmbios similares ou ligeiramente melhores.

Praticamente todo lugar turístico aceita dólar, real, peso argentino e peso uruguaio, além de cartão de crédito. Acho melhor usar a moeda local para compras pequenas. É mais rápido, seguro e barato porque evita conversões.

Troquei 200 reais ao câmbio 7,06 totalizando UY$ 1.412 pesos uruguaios. E 1 AR (peso argentino) equivalia a aproximadamente 1,6 UY. Dimensione seu câmbio para não sobrar pesos uruguaios à toa, ou você acaba perdendo um pouco de dinheiro nessas idas e voltas de conversão. Uma dica é gastar o resto de seus pesos uruguaios no acerto final do pagamento do carrinho de golfe.

Aluguel de carro de golfe em Colonia

A opção de transporte que muitos recomendam, fácil, econômica e bem divertida, é alugar um carrinho de golfe. O veículo não atinge mais que uns 40 km/h e as vias e a cidade são tranquilas e seguras, então é um city tour por conta própria muito agradável.

É possível ir à pé ao centro histórico, mas com o carrinho você passeia sem cansar as pernas e pode ir à Plaza de Toros que fica a uns 3 km de distância, bem como qualquer outra parte mais distante da cidade. Além disso, é divertido e barato, então por que não?

O motorista deve apresentar habilitação (aceita a CNH brasileira). Transporta 4 pessoas, duas no banco da frente e duas viradas para trás, onde há um estribo para os pés e barras para firmar as mãos. Equipamentos básicos: para-brisa, capota de lona (aberto dos lados e atrás); cinto de segurança (lombar) para todos; chave de ignição, câmbio frente-neutro-estacionar-ré (sem marchas), pedais acelerador e freio, freio de mão, retrovisores. O preço inclui o tanque cheio, suficiente para rodar o dia inteiro (não é necessário abastecer para entrega). Sem mistério.

Vista lateral do carro de golfe

Há várias locadoras nas proximidades da saída do terminal de desembarque. Alugamos na Colonia Rental (Miguel Odriozola 415, logo em frente à saída do Centro de Informações Turísticas) o carro de golfe de 4 pessoas o dia inteiro por USD $60 (UY $1800, AR $1125). Aceitam cartão de crédito ou dinheiro, pagamento na entrega, até as 19h.

Pontos turísticos

Mapa do Centro Histórico e redondezas

Câmbio Atravessando o estacionamento na saída do terminal em Colonia, obrigatoriamente tem-se que passar pelo Centro de Informações TurísticasBIT Experiencia Uruguay — do governo de Intendencia de Colonia. Lá os gentis atendentes fornecem gratuitamente mapas e informações turísticas.
Entrada do BIT Experiencia Uruguay

Foto de maquete de Colonia

Centro Histórico (Casco Historico)

Do Paseo de San Gabriel, com seu charmoso guarda-corpo branco beira-rio, às simpáticas ruas no entorno, de calçamento de pedra e muito arborizadas, o centro histórico é um passeio tranquilo e gostoso. Ao final da rua Manuel Lobo faz-se uma curva ao lado do Bastión de San Miguel e tem-se acesso à Plaza Mayor, coração do Casco Historico.

Foto: rua em profundidade

Ruas no entorno do centro histórico: calçamento de pedra, muito arborizadas, e casinhas coloridas e bem cuidadas.

As passagens pelo alto das muralhas restauradas, desde o Portão de Armas (Porton de Campo ou Puerta de la Ciudadela) ao longo da ruela do Bastión de San Miguel descendo em direção ao rio, apesar de muito belas, são perigosas para crianças, sem proteção e com trechos estreitos, exigindo muito cuidado e atenção.

Foto montagem: 3 cenas

Portón de Campo (ou Puerta de la Ciudadela), muralha e detalhe do Bastión de San Miguel.

Paralela à rua do Bastión de San Miguel após o início da praça está a Calle de los Suspiros, fechada ao trânsito de veículos. Ao final da praça duas ruas depois, De San Francisco, ergue-se o grande Farol, onde se pode pagar para subir (crianças não podem entrar, pois o mirante externo no alto é estreito e com gradil baixo).

Foto montagem, 3 visões da Calle de los Suspiros

Calle de los Suspiros.

Foto: Farol

Farol de Colonia del Sacramento.

Também estão no centro histórico a Basílica de Santíssimo Sacramento e alguns museus.

Câmbio Há em torno de dez pequenos Museus na cidade, como Português, o Espanhol, do Azulejo, Indígena, Paleontológico, Naval etc. Todos fecham um ou mais dias da semana. Uma entrada de UY $50 (menores de 12 anos não pagam) permite visitar todos os museus disponíveis. Para detalhes, veja o prospecto (PDF) do Sistema de Museos de Colonia.

Plaza de Toros Real de San Carlos (final da Av. Nicolas Mihanovich, esquina Rio de la Plata). Obra realizada pelo arquiteto argentino José Marcovich e o engenheiro Dupuy, a arena foi inaugurada em 9 de janeiro de 1910, mas dois anos depois as touradas foram proibidas em todo país. Esta é a única que se mantém erguida no Uruguai, mas está fechada a visitação, infelizmente devido à estrutura abandonada e em risco. Rodeando a praça se pode ver o entorno de pedra e, lá dentro, a estrutura metálica trazida da Grã Bretanha.
Plaza de Toros

Alimentação

Uma garrafinha de 500 ml de água mineral nos terminais ou no buque custava AR $40 ou UY $65. Em um trailer na cidade, uma garrafa geladíssima de 2,25 L de água mineral custou UY $60.

Câmbio Há muitos Cafés (cafeterias e restaurantes) gostosos, tanto no entorno da Plaza Mayor quanto espalhados pela cidade.

Almoçamos um típico e farto chivito (uruguaio) al plato por UY $595 na varanda do Don Pedro (Henriquez de la Peña, esquina com Calle de los Suspiros, Plaza Mayor), serve muito bem uma pessoa com salada, batatas fritas, carne, ovo, queijo e presunto. Porção de arroz UY $80, suco de laranja (esprimido) UY $95.

Gostamos do sorvete artesanal da El Cali (San Miguel 91, esquina com Henriquez de la Peña, dentro do Bastión de San Miguel, quase em frente ao Porton de Campo), e o ambiente é amplo e agradável.

Nem mais nem menos

Gasta-se em torno de quatro horas entre espera e trânsito de ida e volta, e são vários pontos turísticos, mais os tempos de alimentação e descanso. Então não creio que compense ficar em Colonia menos que um dia todo.

Da mesma forma, a noite em Colonia não é algo imperdível e nem há tantas atrações turísticas que compensem levar mala, procurar hotel, fazer check-in e check-out. Eu não faria pernoite em Colonia. Para mim, um dia inteiro bate-volta basta para ver tudo, passear e cansar. E valeu!