Na série de artigos para Explorar Buenos Aires, vamos ao segundo, Região Central da cidade, San Telmo e Porto Madero. Todos os preços estão em pesos argentinos de jan/2016.

  1. Introdução e Informações essenciais
  2. Região Central, Porto Madero e San Telmo
  3. Palermo
  4. Recoleta
  5. Escapada: Colonia del Sacramento
  6. Outros passeios e pontos de interesse

Região Central

Mapa de Buenos Aires com foco na região central

Na região central de Buenos Aires estão vários dos principais cartões postais da cidade. Veja as indicações no mapa esquemático acima. Além do próprio Centro, boa parte dos atrativos dessa região central está formalmente no Bairro Montserrat, no eixo Avenida de Mayo — da Casa Rosada ao Congresso. Veja os limites no Google Maps:

Obelisco
Obelisco (cruzamento das Avenidas 9 de Julho e Corrientes): considerado por muitos o principal emblema da cidade, com 67,5m de altura e 6,8m de lado na base, inaugurado em 1936 para comemorar o quarto centenário da primeira fundação de Buenos Aires. A própria 9 de Julho é um atrativo, considerada a mais larga avenida do mundo em pistas de rolamento.

Montagem de três fotos do Teatro Colón: escadaria, platéia e corredores.
O belíssimo e suntuoso Teatro Colón (Cerrito 628, entre Tucumán e Viamonte), de 1908 e restaurado em 2010, oferece visitas guiadas (em espanhol) com entrada pela lateral Tucumán 1171, de 9-17h (no verão, o fim estava estendido até 19h), iniciando a cada 15 minutos, com duração aproximada de 50min. $180 para turistas, menores de 7 anos não pagam.

Ao fundo do Teatro está a Plaza Lavalle e o Palacio de Justicia de la Nación (também conhecido como Tribunales), sede da Corte Suprema da Argentina. Aproveite que está por perto, dê uma volta na praça e tire umas fotos.

Na quadra seguinte ao Teatro, ao lado da casa de show Tango Porteño, almoçamos no Cafe Metro Bar (Cerrito 528), que serve pratos e lanches. Lugar pequeno e um pouco quente, mas comida boa e preço razoável.

Foto do Congreso
Congresso Nacional (Av. Entre Rios [continuação da Callao] entre Av. Rivadavia e Hipólito Yrigoyen): a 1km sudoeste do Obelisco está a Plaza del Congreso que, ao final dos gramados, tem uma bela fonte com a escultura “Monumento aos dois Congressos” de 1914, simbolizando a Assembleia de 1813 e o Congresso de Tucumán de 1816 (quando se declarou a Independência Nacional). Ao fundo está o Congreso de la Nación Argentina com sua imponente cúpula, edifício inaugurado em 1906, onde funciona o Senado e a Câmara dos Deputados.

Foto montagem El Ateneo Grand Splendid: panorama, Ateneo Junior, antesala
El Ateneo Grand Splendid (Av. Santa Fé 1860, entre Callao e Riobamba): Buenos Aires foi destacada em 2011 como Capital Mundial do Livro pela UNESCO, e segundo estudo do World Cities Culture Forum 2014, é a cidade do mundo com mais livrarias. Proporcional a tal grandeza, a centenária rede de livrarias El Ateneo (fundada em 1912) ocupou o grandioso espaço do antigo teatro de ópera Grand Splendid, construído em 1919, com 120 mil livros em suas prateleiras, um ótimo e moderno espaço infantil no subsolo (planta baixa) e um bar no antigo palco. Eleita pelo jornal britânico The Gaurdian em 2008 como a segunda livraria mais bonida do mundo! Seg-qui 9-22h, sexta e sábado 9-24h, domingo 12-22h. Fica um pouco “desgarrada” a quase 2km noroeste do Obelisco, mas ainda na região central. Vale a visita. Dica: Lá comprei para meu filho o instrutivo jogo de cartelas perguntas-e-respostas Abremente, da Catapulta Junior, disponível para várias faixas de idade ($139).

Foto montagem do Café Tortoni
Café Tortoni (Av. de Mayo 825, entre Esmeralda e Suipacha): Amplo e elegante café portenho inaugurado em 1858, ainda conserva a bela arquitetura e o charme originais do século 19. Ao fundo, o Salon Alfonsina é uma milonga de tango, e a Sala Cesar Tiempo é um relicário. A comida é boa (nenhuma fritura no cardápio, segundo o garçom). Monumento e comidinhas. Um medialuna con jamón cocido y queso (croissant [traduzido literalmente, seria meia-lua] com presunto e queijo) custa $54, um jugo de naranja exprimido (suco de laranja natural) $56. Não é restaurante, mas Um bife de lomo con jamón, queso, tomate, huevo y palma (filé mignon com presunto, queijo, tomate, ovo e palmito) alimenta uma pessoa por $170.

Agora vamos a leste da Av. 9 de Julho.

Dica: Considerando o horário dos museus e monumentos em torno da Plaza de Mayo, melhor ir de quarta a domingo. A Casa Rosada só abre ao público nos fins de semana.

Foto da Casa Rosada
Já vimos a sede do judiciário e do legislativo nacionais. Completando os três poderes, na Plaza de Mayo está a Casa Rosada (Casa de Gobierno, Presidencia de la Nación). Este palácio, sede do Governo Nacional (executivo), ocupa o espaço onde foi construído o Forte de Buenos Aires em 1580. Visitas só nos fins de semana. Museu do Bicentenário (Av. Paseo Colón 100) ao fundo do Palácio funciona qua-dom de 10-18h, entrada gratuita.

Foto montagem Cabildo e Catedral Metropolitana de Buenos Aires
Ao redor da praça ainda se encontram o Cabildo (Bolívar 65, entre Av. de Mayo e Hipólito Yrigoyen) — Museo Histórico Nacional del Cabildo y la Revolución de Mayo, visitas guiadas de qua-dom 15h30; e a Catedral Metropolitana de Buenos Aires (Av. Rivadavia com San Martin), onde em uma das várias capelas, guardada por dois soldados de honra, descansam os restos do Capitão-General San Martin. Visitas guiadas ao mausoléu e cripta da Catedral seg-sáb 11h45. Dica: Depois da missa das 12h30 (de 2ª a 6ª) há uma bonita benção às futuras mamães.

Na esquina entre o Cabildo e a Catedral Metropolitana está a do Gobierno de la Ciudad de Buenos Aires (esquina Av. de Mayo, Bolívar e Av. Rivadavia). Atrás do Cabildo está a Casa de la Cultura de la Ciudad (ex Diario La Prensa), um dos edifícios do século XIX (1898) mais luxuosos da cidade.

No chamado Casco Histórico de Montserrat ainda se encontram a Igreja San Ignacio Loyola (Bolívar 225, esquina Adolfo Alsina), mais antiga da Cidade, construída pelos Jesuítas entre 1686 e 1722, Igreja e Convento de São Francisco – Capilla San Roque (Adolfo Alsina 380, esquina Defensa) e outros atrativos (veja portal de Turismo de Buenos Aires).

Calle (rua) Florida: A rua Florida foi a primeira a ter os primeiros trechos destinados exclusivamente a pedestres em 1913, e se tornou um calçadão em toda sua extensão de 1100m em 1971, da Av. Rivadavia (próximo à Praça de Maio) até a rua Marcelo T. de Avelar, na Praça San Martin. Com intenso trânsito de pedestres, ao longo de suas 10 quadras se instalam inúmeras lojas e galerias comerciais, além de kioscos, lanchonetes, bancos etc. Realmente tem muitos canteiros centrais floridos, bem como bancas de revistas. Frequentemente recebe iluminação decorativa. Em meio à multidão, ficam os arbolitos (agenciadores de câmbio paralelo) e agentes de viagem aos gritos tentando abordar os transeuntes. Por ser área turística, os preços por ali não costumam ser pechinchas para compras.

Foto montagem de Galerias Pacifico
Galerías Pacífico (Florida com Av. Córdoba): na altura do número 800 da Florida, vale conhecer este shopping de três andares, cujo belo edifício foi declarado monumento histórico nacional em 1989. Lá dentro sua arquitetura emoldura as lojas, com destaque para os murais da linda cúpula central (onde começam visitas guiadas de 20min, seg-sex 11:30 a 16:30). Funciona seg-sáb 10-21h, domingo 12-21h.

Se chegar ao fim da rua Florida, pode conhecer também a Plaza San Martín, uma das mais antigas da cidade, e seguindo uma quadra pela rua Corina Kavanagh, a Basílica del Santísimo Sacramento (San Martín 1039).

De San Telmo a Porto Madero

Mapa de Buenos Aires com foco em San Telmo e Puerto Madero

Ao sul da Plaza de Mayo está o bairro histórico de San Telmo. A leste está Porto Madero. Ligando os dois está o bairro San Miguel, onde um divertido caminho é opção de passeio. É bom reservar um dia para esse circuito, que se for incluir a Feira de San Telmo, deve ser um domingo.

Feira de San Telmo (Humberto Primo 400) — Feria de San Pedro Telmo, ou Feria Plaza Dorrego — é uma famosa feira de antiguidades e artesanato que ocorre somente aos domingos de 10-17h. Começa na praça Dorrego na esquina de Humberto Primo e Defensa, mas as barracas se estendem por várias quadras ao longo da rua Defensa (quando fui, passavam da estátua da Mafalda na esquina com Av. Chile), além dos antiquários e lojas abertos no caminho.

Vale também uma visitinha à igreja da Parroquia San Pedro González Temo (Humberto Iº 340, entre Plaza Dorrego/Defensa e Balacre) de 1806, com museu aberto ao público aos domingos de 15:30-18:30 e visita guiada (dom) às 16h.

Na rua Defensa e proximidades há vários restaurantes e cafés. Em 2009, por dica dos próprios argentinos, tínhamos ido ao El Desnivel (Defensa 855) e comido um ótimo churrasco, mas voltamos agora e, infeliz trocadilho, sentimos o desnível: o bife de chorizo (corte argentino de contrafilé) estava horrível, duro e entranhado com gorduras enervadas, e malpassado embora tenhamos pedido de ao ponto para bem passado. Se quiser uma boa parrila (churrasco) na região, o blog Aires Buenos indica dois em San Telmo (jan/2015), mas não conferi.

Foto montagem de Paseo de la Historieta: Mafalda, Gaturro, Don Nicola

Paseo de la Historieta: Iniciando com a famosa Mafalda, sentada em um banco; o popular Gaturro; Don Nicola, na chegada a Puerto Madero.


Paseo de la Historieta: Finalmente uma atividade boa para crianças! Circuito de 2km de caminhada por ruas passando por estátuas de personagens populares de cartunistas argentinos. Começa com a famosa Mafalda (Av. Chile 371, com Defensa) de Quino, depois Isidoro Cañones (Av. Chile com Balacre), vira na Balacre passando por mais três pontos de personagens até as Chicas Divito (Balacre com Av. Belgrano), depois segue pela Av. Belgrano passando pela praça onde está o Gaturro (seria concorrente do Garfield?) de Nik e outros personagens chegando ao Don Nicola no cruzamento da Av. Alicia Moreau de Justo em Puerto Madero. O caminho segue atravessando a passarela sobre o rio completando os 16 pontos de personagens até o Museo del Humor (Av. de los Italianos 851), mas paramos no Don Nicola (11º), para passear em Puerto Madero. Dica: No domingo, muita gente que vai à Feira de San Telmo aproveita para tirar foto na Mafalda, então dá fila para tirar foto.

Foto montagem de Puerto Madero e Buque Museo Fragata Sarmiento
E finalmente se chega a Puerto Madero (Porto Madero), local altamente turístico, para agradável passeio de dia ou de noite! Antigo porto da cidade, projeto do comerciante Eduardo Madero aprovado em 1882 e inaugurado em 1897, ficou rapidamente obsoleto para o tamanho dos navios de carga. A área ficou abandonada por mais de 50 anos até que em 1989 um projeto de revitalização liderado pela Corporación Antiguo Puerto Madero S.A. recuperou 170 hectares para habitação e espaço público, e se tornou o bairro mais jovem da cidade. Tem um polo gastronômico repleto de restaurantes charmosos (e caros…) ao longo da Av. Alicia Moreau de Justo com vista para os diques, em uma margem, e um horizonte de modernos arranha-céus na outra margem. Ficam ali a Puente de la Mujer (Ponte da Mulher), popular cartão-postal, dois navios-museu ancorados nos diques, dentre outros atrativos. Meu filho curtiu muito o Buque Museo Fragata ARA Presidente Sarmiento (passeio Juana Manuela Gorriti 600, ancorado no Dique 3), mas exige extremo cuidado (risco de queda) nas escadas, convés e sala de máquinas; todos os dias 10-19h ($5).

Falamos de quase vinte atrações turísticas, e ainda tem muito mais.