Apesar da especificação do HTML5 estar em elaboração desde 2008, finalmente começam a aparecer no horizonte da internet sinais de repercussão mais fortes rumo à sua ampla adoção.

O padrão HTML5 — A vocabulary and associated APIs for HTML and XHTML — ainda está como Working Draft (rascunho em desenvolvimento), liderado por Ian Hickson, da Google. No W3C você encontra também o último rascunho do Editor e um resumo das diferenças em relação ao HTML4.

Um dos principais propulsores do padrão HTML5 é a própria empresa Google, que além de liderar o grupo de trabalho da especificação, tem todo o interesse que um novo padrão web com mais recursos de semântica, interatividade, acessibilidade e multimídia impulsione as aplicações e serviços da empresa, totalmente baseadas na web.

A Google desde o início prefere se basear e investir em padrões amplos e abertos. Participa dos mais diversos comitês, iniciativas, comunidades e grupos internacionais abertos de padronização, com destaque para o W3C e o Java Community Process (JCP). A Google mantém e fomenta inclusive comunidades e projetos de software livre, como Google Code, Apache Foundation e outras.

É uma estratégia comercial diferente da Microsoft, que em geral prefere lançar mão de recursos proprietários em suas inovações, confiando que sua liderança no mercado (com Windows, Microsoft Office, Internet Explorer) mais o chamariz de novos recursos bastem para popularizar seus recursos proprietários e, de quebra, ainda fomentar a dependência dos clientes em seus produtos.

O navegador Google Chrome está bem adiantado na adoção da versão preliminar do padrão HTML5. A Microsoft promete se alinhar a essa corrida, com o futuro Internet Explorer 9, atualmente em desenvolvimento (versão beta). Também o navegador Mozilla Firefox, cujo novo Parser HTML5 (mecanismo Gecko 2) e o suporte a SVG e MathML embutido do HTML5 são opcionais no Firefox 3.6, terá estes recursos nativos na futura versão 4, atualmente em beta, além de suporte parcial a HTML5 Forms.

Para os usuários de versões anteriores do Internet Explorer (6, 7 e 8), a Google disponibilizou um plug-in Google Chrome Frame que integra suporte ao HTML5.

A Adobe é outro grande fornecedor que começa a suportar o HTML5 em seus produtos. Em 13 de setembro, divulgou o suporte ao HTML5 no Adobe Illustrator, através do Adobe Illustrator CS5 HTML5 Pack.
O Adobe Dreamweaver CS5 HTML5 Pack já havia sido incorporado à versão 11.0.3 do produto em 31 de agosto, com suporte a HTML5 e CSS3.

Para saber mais: