Peru 2010 – Cusco

Este artigo contempla informações turísticas gerais sobre a cidade de Cusco, no Peru. Os museus e ruínas eu abordo em outro artigo, Peru 2010 – Volta ao Cusco em um Boleto Turístico. Artigos da série:

  1. Peru 2010 – Lima.
  2. Peru 2010 – Cusco. [este]
  3. Peru 2010 – Volta ao Cusco em um Boleto Turístico.
  4. Peru 2010 – Machu Picchu.

Brasão de Cusco A cidade peruana de Cusco (a grafia oficial desde 1971 na cidade e 1986 em todo Peru é com S, como no Brasil; no resto da América Latina e EUA, e de acordo com a Real Academia Espanhola, a grafia mais comum é Cuzco, com Z) é capital do departamento e da província de mesmo nome. Seu nome significa “umbigo”, no idioma nativo quíchua.

Cusco é tida como a cidade habitada mais antiga de toda América. Desde seu estabelecimento como capital do Império Inca (meados do século XIII), até a dominação espanhola com o conquistador Francisco Pizarro em 1532, Cusco foi o mais importante centro administrativo e cultural inca. Abriga uma grande quantidade de monumentos e ruínas — o que confere à cidade o apelido de “Roma da América”.

Patrimônio A cidade de Cusco foi declarada Patrimônio Cultural da Humanidade pela UNESCO, em 1983.

Cusco hoje é uma das cidades mais populosas do Peru (perto de 500 mil habitantes), e cidade importante mais próxima do Santuário Histórico de Machu Picchu, a cerca de 130 quilômetros dali. Principal centro turístico atual no Peru, recebe mais de um milhão de visitantes por ano, oferecendo boa infraestrutura para o turista, desde hotéis de luxo até albergues para mochileiros.

Dia 2 – Chegada a Cusco

Aeroporto Quem chega por avião — principalmente vindo de Lima (o voo LIM-CUZ demora apenas 1h15min), que fica ao nível do mar — pode sentir algum mal estar inicial, pois Cusco é uma cidade muito alta, com 3400 metros altitude. Sintomas comuns podem ser dificuldade de respirar, cansaço maior que o normal, sensação de má digestão, enjoo ou até náusea. Com o tempo em geral o organismo se adapta, mas se houver necessidade, há atendimento médico no próprio aeroporto.

O Alejandro Velasco Astete International Airport (CUZ), aeroporto internacional de Cusco, fica bem próximo à região central da cidade. Basta uma corrida de pouco mais de 6 km (15 minutos) seguindo pela Via Expressa que passa ao norte do Aeroporto, se torna Avenida 28 de Julio San Martin e, ao final, se funde com a Avenida Sol, principal da cidade, que chega quase na Plaza De Armas, marco do centro histórico de Cusco.


Exibir mapa ampliado

Consegue-se fácil taxi no saguão do aeroporto. Não esqueça de sempre combinar o preço da corrida de taxi antecipadamente, antes de entrar no carro.

Hotel

Hotel Cusco oferece uma grande variedade de hotéis de todos os tipos e preços.

Depois de muita pesquisa na internet, incluindo sites de review como o excelente TripAdvisor.com e de vendas como Booking.com, Hoteis.com e outros, optei pelo Hotel Del Prado Inn.

Estrategicamente localizado, o hotel está na Calle Suecia n° 310, logo no início da ruela que sobe pela saída norte da Plaza de Armas. Por causa da pequena largura entre as pilastras do arco de acesso no Portal de Panes, quase não passam carros. Assim, é um local de pouco movimento a poucos passos da centralíssima e movimentada Plaza de Armas.

A estrutura, atendimento e serviços do hotel são muito bons. O único ponto de atenção é o barulho vizinho. Em frente e ao lado do hotel ficam duas boates (bares com música ao vivo) com som alto até altas horas da madrugada praticamente todos os dias. Quem quiser um quarto mais silencioso, deve pedir um ao fundo, onde de madrugada só chegará um restinho de som quase imperceptível. E o hotel fornece fones de ouvido. Para mim não foi problema; mas quem tem sono levíssimo pode não gostar.

Del Prado Inn não constava no Booking.com nem Hoteis.com. O site do hotel leva a reservas pela agência Go2Peru.com. Alguns (poucos) usuários reclamaram na internet situações em que a Go2Peru não confirmou a vaga reservada e só informou isso ao cliente na véspera. Contudo, a maioria dos comentários na internet sobre a Go2Peru eram favoráveis e indicavam bom atendimento on-line.

Como eu não tinha indicações pessoais e era minha primeira vez, preferi contatar diretamente o hotel por e-mail. Me retornaram com presteza e ofereceram diária de quarto duplo/casal (USD$ 79) poucos dólares mais cara que na Go2Peru (USD$ 75) e um link (site seguro Visa) para pagar a primeira diária adiantado, com cartão de crédito, como confirmação da reserva. A primeira tentativa deu erro (não autorizava), mas o hotel providenciou prontamente outro link (nova reserva, no mesmo site de pagamento) e aí funcionou.

Acho que valeu a pena, pois só paguei uma diária adiantado e, por esse preço e sem eu pedir nada, me deram no check-in uma suíte com jacuzzi (pela tabela, seria uns 30% a mais), mais ampla e com hidromassagem. Não sei se foi por reservarmos com o hotel, se gostaram da minha cara, se havia pouca ocupação de quartos na época, ou até se foi engano. Mas adorei!

Cruz Médica Logo na chegada, um funcionário ofereceu chá de folhas de coca (fique sempre disponível no hall de entrada), orientando que ele ajuda contra o mal da altitude (soroche), tanto facilitando a respiração quanto a digestão. Também advertiu a, no primeiro dia, andar pouco e comer algo bem leve, como uma sopa ou creme, ou no máximo um filé de frango ou peixe grelhado.

Sábias orientações, que seguimos todas à risca.

O chá de folhas de coca é uma infusão onde se coloca um punhado de folhas de coca secas, água quente, e em uns dois minutos está pronto para beber. Há também a opção de saquinho industrializado de “té de mate de coca” ( é chá em castellano), ao invés das folhas in natura. Achei o chá de coca suave e mais gostoso que um mate, e revigorante.

Goste você ou não de chá, recomendo tomar té de coca uma ou mais vezes todos os dias. Eu fiz isso e felizmente não senti mal. No máximo, senti que a respiração realmente é um pouco mais difícil naquela altitude toda, principalmente se você não é nenhum atleta, e durante longas caminhadas e passeios. Mas vi muita gente se sentindo tonta ou reclamando que passou mal, então não bobeie.

Como chegamos no fim da tarde, apenas fizemos o check-in, demos um cochilo e, de noitinha, uma pequena volta de reconhecimento no entorno da Praça. Jantamos um filezinho de carne branca grelhada com arroz e legumes, e pronto.

O café da manhã do hotel é muito bom, não tão variado quanto do hotel em Lima, mas tinha de tudo um pouco. Gostaria de mais tipos de presunto e queijo, e, principalmente, cereal — sempre os mesmos flocos e grãos de quinua, cereal típico dos andes e rico em proteínas.

No dia em que ficamos fora em Machu Picchu, liberamos o quarto e deixamos as malas guardadas no porta bagagens do hotel (só levamos uma mochila). O bagageiro não tem custo e ficamos um dia fora sem pagar diária. Na volta, chegamos à noite e, para nossa felicidade, as malas já estavam repostas, na mesma suíte. Adorei a eficiência e comodidade.

Câmbio Dica: No último dia, ao fechar o pagamento, valeu a pena pagar com dólares em espécie. Se pagássemos com cartão de crédito ou em notas de Soles, o hotel converteria o valor de dólares para soles pelo câmbio “arredondado” praticado no hotel (e outros estabelecimentos) de S/ 3,00 por dólar, enquanto o câmbio em um banco ou casa de câmbio era em torno de S/ 2,80. Ou seja, sairia mais caro pagar em soles. No caso de cartão de crédito, ainda haveria o câmbio da administradora na conversão de soles em dólar (todo pagamento em moedas estrangeiras é convertido primeiro em dólar) e, no caso de cartão brasileiro, outra conversão para real na fatura.

Turismo geral

Ao passear à procura de lojas, bares e restaurantes em Cusco, uma regra de ouro: Não subestime as portinhas, elas podem ser acesso a um corredor para uma grande galeria interna ou a uma escada para um amplo segundo pavimento. A maioria dos restaurantes na Plaza de Armas, por exemplo, está no segundo pavimento, onde em geral tem balcões com uma bela vista da praça e das ladeiras e morros no entorno. Da mesma forma, em diversas quadras no centro da cidade encontramos galerias de artesanato cujo acesso se dava por um pequeno corredor.

A maioria das edificações construídas depois do fim do Império inca é de influência espanhola com uma mistura de arquitetura inca. O site da Prefeitura oferece informações sobre Lugares turísticos.

Praças e igrejas

A referência central é a grande Plaza de Armas, em sua enorme forma retangular, com jardins recortados por passeios com bancos, tendo ao centro uma fonte, sempre movimentada e com vasto e variado comércio à volta dos quatro lados.

Igreja À direita na face nordeste da Plaza de Armas está a Catedral, que tem missas abertas ao público todos os dias das 6h às 9h da manhã, mas a visitação turística a partir desse horário tem entrada paga. Ainda há outra igreja na face sudeste da Praça.

Subindo à direita da Catedral (Portal Belen) e seguindo 3 quadras pelas rua Triunfo e Hatum Rumiyoc, chega-se à igreja de San Blas. No caminho pela Calle Hatum Rumiyoc, à direita de quem sobre, está um muro inca com a grande Pedra dos Doze Ângulos, mostra do detalhismo da arquitetura inca para o encaixe perfeito às pedras ao redor. É proibido tocar na pedra, considerada sagrada, para evitar o desgaste e depredação. E à direita da igreja San Blas — pela rua Carmen Bajo — há uma praça simpática na quadra seguinte.

[ … igreja Sao Francisco … ]

Câmbio Encontra-se por toda cidade casas de câmbio (cabine de vidro dentro de lojinhas), bancos e caixas eletrônicos para saque internacional (em dólar ou sol). Só nas duas primeiras quadras da Avenida Sol a partir da Plaza de Armas, por exemplo, você já encontrará muitas opções suficientes para uma rápida pesquisa de câmbio.

Nem todos os estabelecimentos aceitam cartões de crédito, então é bom perguntar antes de consumir. Artesãos e comerciantes podem aceitar dólar, euro ou real diretamente, mas em geral a conversão de câmbio será ruim. Nas barganhas e pechinchas, achei mais prático e efetivo negociar e pagar em soles. Mais dicas sobre dinheiro no primeiro artigo da série.

Alimentação Cusco tem muitos restaurantes, lanchonetes, bares e cafés. A maioria dos restaurantes oferece uma ou mais opções de menu turístico com preço em conta (em torno de S/. 10 a 25), em geral com entrada (salada, sopa ou creme), prato principal — tipicamente filé de frango ou truta grelhado com um acompanhamento, como arroz ou purê de batatas — e uma bebida — limonada, taça de vinho ou pisco sour — inclusos.

Como no centro turístico há muitos restaurantes próximos entre si, principalmente na Plaza de Armas e ruas adjacentes, os garçons e “promoters” apelam: com cardápio ou folder em mãos, abordam os passantes diretamente na rua, nas proximidades do restaurante, para angariar clientes. Esse assédio incomoda e às vezes temos que ser ríspidos com os mais insistentes e chatos.

  • Yajúú! (Portal Confituria nº 249, Plaza de Armas, e outros endereços) sucos naturais e sanduíches.
  • Pizzeria Chez Maggi (vários endereços), pizzas bem gostosas e pan al ajo (pão de alho) de cortesia.
  • El Mesón, premiado restaurante com buffet de salada livre na compra de pizzas ou pratos, como as vistosas parrilhadas (chapa de carnes), boa comida e uma bela vista da Plaza de Armas, protegida do tempo pelo terraço fechado envidraçado (o ruim do ambiente fechado é que a roupa sai com cheiro de gordura).
  • La Bondiet (Calle Plateros nº 363) sobremesas e cafés.
  • Lanchonetes fast-food: Bembos (Plaza de Armas, na frente oposta à Catedral) e McDonalds (Plaza de Armas, Portal de Panes perto do hotel Del Prado); ambas tem mesas no térreo e terraço.

Compras

Artesanato: Há algumas galerias de artesanato na Plaza de Armas. Ao longo da Avenida Sol há várias, quase todas à direita de quem desce, terminando no grande Mercado de Artesanato à esquerda, logo após a fonte com monumento cusquenho. No entorno do centro da cidade há várias galerias (portinhas…).

Descendo a rua da Iglesia de San Pedro rumo à estação de trem San Pedro, chega-se ao pitoresco Mercado Central, onde se encontra desde carnes e frutas até artesanato e flores.

Pode-se comprar facilmente na cidade roupas e calçados apropriados para trilhas e caminhadas, há várias lojas especializadas no entorno do centro histórico. Eu consegui comprar por bom preço uma calça cargo levinha e confortável, cheia de bolsos e reversível para bermuda, e um belo tenis para trilha Alpinex em liquidação.

Farmácias vendem a maioria dos remédios sem receita, além de itens importantíssimo para caminhadas como repelente, protetor solar, hidratante.

Mercadinhos (lanches, bebidas, produtos de higiene etc.)

Night

[ … Casas noturnas: Mama Africa etc. … ]

Veja também:

  • Cusco Travel Guide – Virtual Tourist (em inglês): visão geral, hotéis, restaurantes, voos, transporte, coisas para fazer, barganhas, vida noturna, programas alternativos, armadilhas para turistas, perigos e cuidados, compras.

3 Replies to “Peru 2010 – Cusco”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *