Quem acompanha meu blog em postagens relativas a softwares antivírus e de proteção internet, sabe que desde os idos de 2006 eu passei a ter preferência pessoal pelo Kaspersky Internet Security, pelos seguintes motivos principais:

  • Em meus próprios testes e em testes de sites e revistas especializadas, o Kaspersky sempre apresenta um dos mais altos índices (muitas vezes é o maior) de detecção de malware. E quando se trata de cavalos de tróia específicos de fraudes bancárias brasileiras, Kaspersky mostra larga superioridade na rápida e precisa detecção destes.
  • Desde a versão 5 até hoje, a interface com o usuário ficou muito mais fácil, intuitiva e atrativa.
  • O desempenho, em termos de consumo de CPU e memória, sempre foi para mim suficiente em sua configuração padrão, nunca me incomodou ao ponto de culpá-lo por qualquer lentidão anormal na máquina.
  • Sua atualização de dados há muito tempo é de três em três horas, quando ainda haviam antivírus que só tinham opção de uma atualização diária ou até em intervalos maiores.

Até agora me bastou. Ainda assim, quando comprei um novo computador que veio com o McAfee Internet Security preinstalado, meu espírito nerd me fez experimentar outro antivírus, para efeito de comparação. A interface e os recursos não me pareceram tão fáceis como do Kaspersky, mas talvez eu poderia estar influenciado por anos de costume com o outro. O desempenho também não me incomodava, mas a detecção de novos malwares às vezes falhava (como eu conseguia facilmente comprovar utilizando as comparações pelo VirusTotal.com). Como não sou nenhum usuário leigo, estava aceitável até que a licença acabasse.

Porém, um fato precipitou tudo. Fiquei três dias sem acesso a internet em meu computador de casa. Não era a banda larga nem os equipamentos, pois outro computador navegava normalmente.

A última coisa que aconteceu com meu computador antes da internet “subir no telhado” foi o seguinte: o McAfee Internet Security de repente abriu um tela de erro e solicitou a instalação de um tal de “McAfee Virtual Technician”. Logo depois que a instalação via web desse utilitário tentou baixar algo, o computador parou de acessar a internet.

Poderia ser coincidência. Mas os diagnósticos de rede do Windows solicitavam “liberar o firewall”; os detalhes exibiam instruções para configurar o Firewall do McAfee, mas já estava tudo conforme solicitado. Mesmo desligando o Firewall totalmente pela interface do McAfee, nem um ping para o roteador dava certo.

Então apelei e mandei desintalar o McAfee Internet Security. A desintalação nem tinha completado e minha internet voltou à vida! Bingo!

Logo em seguida, o que fiz? Instalei o Kaspersky Internet Security 2012, para o qual eu já tinha até uma licença multiusuário à espera. Em poucos minutos instalado, o Kaspersky detectou e eliminou um malware de teste que estava arquivado no computador, saneou três cavalos de tróia HTML em mensagens de spam em meu e-mail, e ainda detectou vulnerabilidades em quatro programas desatualizados, que tratei de atualizar para a versão mais nova conforme orientações das respectivas páginas de advisory do securelist.com, para o qual o Kaspersky direcionava em “Exibir descrição” de cada vulnerabilidade.

Por isso, agora, tchau McAfee, bem vindo de volta Kaspersky!