março 2012


Coleta atualizada de análsies de mercado de produtos de TI por institutos de pesquisa, desde a postagem de meu artigo do ano passado.

Infraestrutura de Aplicações

Desde 2010, o mercado de servidores de aplicação corporativos está estável, com os líderes Oracle, IBM, Microsoft e Red Hat (JBoss). Nessa atualização em 2011, a Red Hat encosta cada vez mais nos outros três líderes. O quadrante mágico também foi “enxugado” da profusão de concorrentes de nicho e visionários que haviam em 2010.

Quadrante Mágico Gartner - Servidores de Aplicação Corporativos, 2011

Quadrante Mágico Gartner - Servidores de Aplicação Corporativos, 2011

Fonte: Magic Quadrant for Enterprise Application Servers, setembro 2011, Gartner, reproduzido por Oracle.

Quadrante Mágico Gartner - Governança SOA, 2011

Quadrante Mágico Gartner - Governança SOA, 2011

Fonte: Magic Quadrant for SOA Governance, outubro 2011, Gartner, reproduzido por Oracle.

ESB Forrester Wave Q2 2011

Mercado de Enterprise Service Bus, 2º trimestre de 2011, Forrester Wave, Forrester Research.

Fonte: The Forrester Wave: Enterprise Service Bus, Q2 2011, por Ken Vollmer para profissionais de desenvolvimento e distribuição de aplicações, 25 de abril de 2011, reproduzido por Oracle.

ESB Reference Architecture Model

Enterprise Service Bus reference architecture model, Forrester Research, 2011.

Quadrante Mágico Gartner - Application Performance Monitoring, 2011

Quadrante Mágico Gartner - Application Performance Monitoring, 2011

Fonte: Magic Quadrant for Application Performance Monitoring, setembro 2011, Gartner, reproduzido por Quest Software, por CA, por Opnet.

Gerenciamento de Conteúdo

O cenário não mudou muito desde as análises dos institutos Forrester e Gartner no quarto trimestre de 2009 e do Gartner em novembro de 2010. Comparando os resultados dos dois institutos agora no final de 2011, vemos que ambos concordam na indicação de cinco líderes de mercado EMC, Oracle, IBM, OpenText e Microsoft. O excelente posicionamento de IBM e Oracle é similar nos dois gráficos; a diferença fica por conta do Forrester colocar OpenText e EMC em uma situação mais proeminente, e Microsoft no limiar inferior da liderança.

Forrester Wave - ECM, 4º trimestre 2011

Forrester Wave - ECM, 4º trimestre 2011

Fonte: The Forrester Wave – Enterprise Content Management, Q4 2011, novembro 2011, Forrester, reproduzido por Oracle.

O relatório Forrester Wave 2011 Q4 traz uma interessante figura que sintetiza os tipos de conteúdo e tecnologias relacionadas em gerenciamento de conteúdo corporativo (ECM):

Forrester Wave ECM 2011 Q4: Tipos de conteúdo e tecnologias

Forrester Wave ECM 2011 Q4: Tipos de conteúdo e tecnologias

O relatório completo também traz três gráficos de ondas adicionais segmentados por tipo de conteúdo: Fundamental, Negócios e Transacional.

Quadrante Mágico Gartner - ECM, 2011

Quadrante Mágico Gartner - ECM, 2011

Fonte: Magic Quadrant for Enterprise Content Management, outubro 2011, Gartner, reproduzido por Oracle.

O segmento específico de gerenciamento de conteúdo web mantém-se estável se comparado com as análises do Gartner em agosto de 2009 e em agosto de 2010. Oracle, OpenText, Autonomy, SDL e Sitecore se mantêm na liderança. Agora em novembro de 2011, surge a Adobe entre os líderes. IBM e Microsoft continuam fortes desafiantes nesse segmento.

Quadrante Mágico Gartner - Web CMS, 2011

Quadrante Mágico Gartner - Web CMS, 2011

Fonte: Magic Quadrant for Web Content Management, novembro 2011, Gartner, reproduzido por Oracle.

Quadrante Mágico Gartner - Portais Horizontais, 2011

Quadrante Mágico Gartner - Portais Horizontais, 2011

Fonte: Magic Quadrant for Horizontal Portals, outubro 2011, Gartner, reproduzido por Oracle.

Análise e Inteligência de Negócios, Armazém e Integração de Dados

O quadrante a seguir foca o segmento de ferramentas analíticas de negócios (business analytics) denominado Gestão do Desempenho Corporativo – Enterprise Performance Management (EPM) ou Corporate Performance Management (CPM).

Magic Quadrant for Corporate Performance Management Suites, March 2012

Quadrante Mágico Gartner – Suítes de Gestão de Desempenho Corporativo, 2012

Fonte: Magic Quadrant for Corporate Performance Management Suites, 19 de março 2012, Gartner, reproduzidor por Oracle.

Quadrante Mágico Gartner - Business Intelligence Platforms, 2012

Quadrante Mágico Gartner - Business Intelligence, 2012

Fonte: Magic Quadrant for Business Intelligence Platforms, fevereiro 2012, Gartner, reproduzido por Microstrategy, por Oracle, por Microsoft, por LogiXML, por Tableau.

Quadrante Mágico Gartner - Ferramentas de Qualidade de Dados, 2011

Quadrante Mágico Gartner - Qualidade de Dados, 2011

Fonte: Magic Quadrant for Data Quality Tools, julho 2011, Gartner, reproduzido por SAP [PDF], por Autonomic Resources.

Quadrante Mágico Gartner - Integração de Dados, 2011

Quadrante Mágico Gartner - Integração de Dados, 2011

Fonte: Magic Quadrant for Data Integration Tools, outubro 2011, Gartner, reproduzido por Oracle.

Quadrante Mágico Gartner - SGBD Armazém de Dados, 2012

Quadrante Mágico Gartner - SGBD Armazém de Dados, 2012

Fonte: Magic Quadrant for Data Warehouse Database Management Systems, fevereiro 2012, Gartner, reproduzido por Oracle.

Um erro bastante comum que vejo no uso de planilhas eletrônicas em cálculos financeiros e monetários é o tratamento incorreto de centavos na divisão não-inteira e cálculos com números fracionários com mais de duas casas decimais. Nesse artigo vou abordar o problema e soluções para tratá-lo adequadamente.

Problema: Formatação exibida × valor armazenado

Quando se trabalha com valores monetários (financeiros), é comum usar a formatação de número das células como “Moeda”, “Contábil” ou ainda “Número”, com duas casas decimais. Isso faz a planilha eletrônica exibir os valores sempre arredondados em duas casas decimais, para representar adequadamente os centavos.

Por padrão, essa precisão de casas decimais da formatação é usada apenas na exibição, mas o armazenamento e cálculos do valor usam toda a precisão que a planilha comporta (o Excel 2010, por exemplo, tem precisão máxima de 15 dígitos).

Se o valor da célula tem parte fracionária com mais de duas casas decimais — um caso típico é o resultado de uma divisão não inteira — mas apenas a exibição é formatada com duas casas decimais (para os centavos), isso pode resultar em divergências de arredondamento de centavos, quando esse valor é usado em cálculos.

Veja o exemplo, células das colunas B e C formatadas como moeda (duas casas decimais):

A B C
1 n v n*v
2 3 R$ 0,33 R$ 1,00
3 3 R$ 0,67 R$ 2,00
4 3 R$ 0,33 R$ 0,99
5 3 R$ 0,67 R$ 2,01

Por que aparentemente os cálculos nas linhas 2 e 3 são iguais aos das linhas 4 e 5, mas os valores resultantes da multiplicação (coluna C) são diferentes? Porque os valores armazenados nas células B2 e B3 são as fórmulas =1/3 (0,333333333333333) e =1/4 (0,666666666666667) respectivamente, enquanto nas células B4 e B5 são efetivamente 0,33 e 0,67.

Solução 1: Precisão de cálculo igual à exibição

Uma solução, fácil de aplicar mas que deve ser usada com muito cuidado, porque afeta globalmente a planilha eletrônica e faz com que valores digitados percam definitivamente a precisão de casas decimais excedentes, é utilizar uma opção do Excel que faz com que a precisão de cálculo seja igual ao exibido.

No Excel 2010:

  1. Clique na guia Arquivo, clique em Opções e, em seguida, clique na categoria Avançado.
  2. Na seção Ao calcular esta pasta de trabalho, selecione a pasta de trabalho desejada e, em seguida, marque a caixa de seleção Definir precisão conforme exibido.
  3. Selecione OK.

Observe que o Excel alerta que dados (digitados) perderão definitivamente a precisão (casas decimais excedentes ao exibido). Isso significa que se houvesse um valor digitado e armazenado como 0,666667 na célula formatada como 2 casas decimais, após ativada a opção o valor seria definitivamente convertido para 0,670000. Isso não afeta porém valores que são fórmulas como =2/3.

Referência: Ajuda do Excel 2010 – Alterar a precisão dos cálculos em uma pasta de trabalho.

Solução 2: Utilizar fórmulas de arredondamento

Outra forma de evitar/solucionar essa divergência é utilizar nas células fórmulas que explicitamente arredondem ou trunquem os valores armazenados para duas casas decimais. Existem várias fórmulas para isso. Peguemos o exemplo de tratar a fração a/b (por exemplo, 1/3 ou 2/3):

  • =ARRED(a/b;2) → Arredonda um número (primeiro parâmetro) até a quantidade especificada de dígitos (segundo parâmetro, no caso, 2 casas decimais). A regra de arredondamento é a comum: valor 5 em diante na casa decimal seguinte arredonda para cima, 0 a 4 para baixo (trunca).
  • =ARREDONDAR.PARA.CIMA(a/b;2) → Sempre arredonda um número para cima afastando-o de zero. Ou seja, “para cima” é aumentar o valor absoluto; no caso de valores negativos, -0,333 resulta em -0,34.
  • =TETO(a/b;0,01) → Arredonda um número sempre para cima, para o próximo múltiplo significativo (do segundo parâmetro, no caso, 0,01 = 1 centavo). Para números positivos, funciona igual a ARREDONDAR.PARA.CIMA.
  • TRUNCAR(a/b;2) → Trunca um número até a quantidade de casas decimais especificadas no segundo parâmetro (no caso, 2; se omitido assumiria o padrão 0, para truncar para inteiro).
  • =ARREDONDAR.PARA.BAIXO(a/b;2) → Arredonda um número para baixo, aproximando-o de zero.
  • =ARREDMULTB(a/b;0,01) → Arredonda um número para baixo até o múltiplo ou a significância mais próxima (segundo parâmetro, no caso, 0,01) É a função oposta a TETO.

Os mais comuns são arredondar (ARRED) ou truncar (TRUNCAR).

Referência: Ajuda do Excel 2010 – Arredondar um número.