janeiro 2010


O interessante artigo A ITIL E A ISO/IEC 20000 – O que elas têm em comum?, por Luciene Rosa, publicado em 11 de janeiro no portal de conteúdo da empresa Módulo, aborda e correlaciona dois dos principais modelos amplamente reconhecidos para o Gerenciamento de Serviços de TI (GSTI): ITIL e ISO 20000.

ITIL — Information Technology Infrastructure Library — é um conjunto de melhores práticas aplicáveis a infraestrutura, operação e manutenção de serviços de tecnologia da informação (TI). Foi desenvolvido no final dos anos 1980 pela CCTA (Central Computer and Telecommunications Agency) e atualmente está sob custódia do OGC (Office for Government Commerce) da Inglaterra.

Já a NBR ISO/IEC 20000 — Tecnologia da Informação – Gerenciamento de serviços — é a primeira norma internacional que visa definir um padrão mundial para o GSTI, através da uniformização dos conceitos e da visão dos processos que o implementam. Oriunda do padrão britânico BS 15000, foi evoluída para norma internacional pelo ISO/IEC em 2005, e publicada em português no Brasil pela ABNT em 2008.

Ficou de fora do artigo citado o modelo COBIT — Control Objectives for Information and related Technology — publicado pelo IT Governance Institute (ITGI), Information Systems Audit and Control Association (ISACA), EUA, que tem foco na gestão dos serviços de TI, abordando aspectos como controle, segurança e governança nos domínios de planejamento e organização, aquisições e implementação, entrega e suporte, e monitoramento e avaliação.

Para saber mais: referências sobre Governança e Gerenciamento de Serviços de TI, por Márcio d’Ávila.

Não, o assunto aqui não é sobre filme.

O Museu de História Natural e Jardim Botânico da UFMG está com o projeto “Uma Noite no Museu”, que levará os visitantes a uma visita na mata durante a noite, para um passeio que visa “fugir” do caos urbano e aprender mais sobre aquele meio, fazer uma caminhada e observar as estrelas, tudo com a presença de instrutores apropriados, sem a necessidade de longos acampamentos afastados da cidade. Haverá também uma roda de lendas, para aprender mais sobre o folclore brasileiro.

A inscrição é feita enviando um e-mail com nome, idade, profissão, endereço, telefone e e-mail de contato para umanoitenomuseu.mhnjb@gmail.com. O custo da visita é R$10,00, pagos na hora da visita. Vale lembrar que é necessário que os visitantes usem calça comprida e sapato fechado e levem lanterna, repelente, garrafa de água e um agasalho leve.

A primeira noite desse projeto será no dia 30 de janeiro, sábado, uma noite de Lua Cheia, com programação da visita iniciando às 20h e encerrando à meia-noite.

Mais informações pelo telefone: (31) 3409 7614.

Fonte: Blog SweetLuly e MHN&JB da UFMG.

Desde 1996, fui cliente fiel da Bookpool.com, a livraria virtual americana inaugurada em 1994, que vendia livros técnicos de informática muito baratos — raríssimamente Amazon ou Borders batiam algum preço. Não obstante, Bookpool sempre teve a mais eficiente, infalível e rápida entrega internacional que já vi, através da DHL, tal que os livros chegavam dos Estados Unidos à porta de minha casa religiosamente em apenas três dias úteis!

Enquanto até hoje alguns sites de compra ainda pecam em quesitos básicos, a compra através do site da Bookpool há mais de 10 anos já era intuitiva, precisa e segura — design limpo e organizado, informações e passos claros e objetivos, sempre apresentando detalhes e confirmações, uso de HTTPS, envio de e-mails de notificação, rastreamento de entrega internacional, histórico de pedidos, lista de compras futuras.

O controle de estoque de cada livro era preciso, com a disponibilidade já exibida mesmo antes da compra. Quando uma compra era fechada contendo pelo menos um livro fora de estoque, o pedido ficava em espera. Durante essa espera, podia-se editar o pedido já concluído, adicionando ou excluindo livros.

Longa história

A Bookpool praticava descontos sobre o preço de capa (aquele sugerido pela editora, que nas editoras dos EUA costuma ser impresso na capa junto ao ISBN do livro) em geral entre 30 e 40%. Mas todo mês havia uma (às vezes mais) editora da qual os livros estavam em oferta especial, com descontos que já vi chegar a 51%.

A O’Reilly é a editora americana especializada em tecnologia da qual mais comprei livros, através da Bookpool.com. Os livros da O’Reilly costumam ter um animal como tema da capa, o que os geeks apelidam carinhosamente de “coleção parmalat” (lembra daquela promoção de bichinhos de pelúcia que fez muito sucesso no Brasil?).

O frete inicial para entrega no Brasil era de aproximadamente 30 dólares, caro para comprar apenas um livro. Mas o frete a cada livro adicionado ao pedido era pequeno (dependia do peso), de forma que com um pedido em torno de 8 a 10 livros o frete médio rateado já costumava ficar perto de 7 dólares por livro.

Assim, bastava reunir um grupo de fiéis amigos nerds, ver quem queria quais livros e fazer um pedido “conjunto” para, em poucos dias, estarmos todos nos deliciando com algum livro técnico recém lançado nos Estados Unidos, a um custo em geral mais barato que livros no Brasil, sem esperar lançar tradução nem muito menos sofrer com traduções horrorosas e falhas. O sonho de qualquer nerd, hehe.

A Bookpool recomendava, para pedidos ao Brasil, que não fosse ultrapassado o valor total 500 dólares em um único pedido (incluindo frete), para evitar problema com a alfândega brasileira. Na época áurea em que o dólar estava pareado com o real, a turma de nerds era grande e as novidades de livros tech eram muitas, chegamos a pesquisar no site da Receita Federal e descobrir que a isenção de impostos na importação de livros era até o limite de 3000 dólares por remessa, e fizemos um pedido que ultrapassou mil dólares! O difícil era a logística de distribuir os livros e de cobrar de todos da turma.

O fim

Fazia mais de um ano que eu não comprava na Bookpool.com. E o último email de ofertas que eu havia recebido deles fora em janeiro de 2009. Eis que hoje fui acessar o site e… tive uma infeliz surpresa: A loja virtual Bookpool.com se foi!

Pesquisando na internet, descobri neste post de Marc Hughes que o site foi subitamente desativado em 23 de março de 2009. Pelo cache do Google vi que o dono da Bookpool Chris Perleberg pos o domínio bookpool.com à venda em novembro e acabou por leiloá-lo entre os dias 08, 09 e 10 de dezembro passado.

Não encontrei explicação para o súbito encerramento do site. Pelo sucesso que tinha entre os aficcionados de informática no mundo afora, talvez até um dos gigantes como Amazon ou Barnes&Noble se interessaria em comprar o negócio da Bookpool. Os donos devem ter lá suas razões, paciência.

Então, como mais um dos inúmeros fãs — muito além de simples clientes — órfãos que a Bookpool deixou mundo afora, expresso aqui meu sincero obrigado pelo tempo em que operou com eficiência e seriedade, e meu saudoso adeus, Bookpool.com!

A partir de 1º de janeiro de 2010, todos os cartórios de registro civil do país devem adotar os novos modelos padronizados de certidões de nascimento, casamento e óbito, que foram lançados pela Corregedoria Nacional de Justiça, órgão vinculado ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Desde o lançamento, em abril de 2009, os cartórios tiveram esse tempo para se adaptar às novas regras que darão maior segurança aos documentos, evitando erros e falsificações, e ainda facilitarão a conferência da autenticidade dos registros.

Os novos modelos dos documentos deverão incluir na parte superior o número da matrícula de cada registrador, conforme Cadastro de Cartórios Civis implantado no país em agosto de 2009. Os seis primeiros algarismos da matrícula correspondem ao Código Nacional da Serventia, e permitem a identificação imediata do cartório onde o documento foi emitido. Os demais algarismos trazem informações sobre o acervo, o tipo do livro de registro, o ano em que a certidão foi extraída e o dígito verificador, atestando a autenticidade do documento.

Para ampliar ainda mais a segurança dos documentos, a Corregedoria Nacional de Justiça estabeleceu que eles podem ser emitidos utilizando-se papel de segurança ou papel com detalhes coloridos, gráficos, molduras e brasões. Mas, para evitar imposição de custos adicionais aos cartórios, essa regra não é obrigatória, mas deve ser seguida pelos registradores se houver norma local para isso ou se o papel especial for fornecido sem ônus financeiros para os cartórios.

As certidões emitidas até 31 de dezembro de 2009 não precisam ser substituídas e permanecerão válidas por prazo indeterminado.

A adaptação às novas regras não vai acarretar nenhum gasto adicional para os cartórios. Basta ter um computador para gerar a matrícula do registro. O Portal do CNJ ( www.cnj.jus.br ) deverá dispor de um sistema on-line que permitirá, a partir da digitação da matrícula da nova certidão, a verificação da autenticidade dos documentos. O sistema poderá ser acessado por qualquer órgão público ou cidadão gratuitamente.

Fonte: Conselho Nacional de Justiça (CNJ)